Como pai ou educador, o mais natural é fazer todos os esforços para evitar que a sua criança sofra ou passe por experiências de dor física ou emocional. Uma das experiências mais difíceis para uma criança é o desapontamento. As crianças são por natureza muito entusiasmadas, envolvendo-se em muitas atividades e sempre à procura de conquistas. Quando as suas esperanças e desejos não são cumpridos, elas podem experimentar sentimentos de decepção. Se esses sentimentos forem personalizados por parte da criança, ela pode julgar-se inferior relativamente às outras crianças, conduzindo-a a comportamentos prejudiciais para o seu desenvolvimento saudável. Se é pai ou educador, quero muito dizer-lhe que é possível transformar o desapontamento como um trampolim para o crescimento e desenvolvimento das crianças.

Em seguida apresento sete estratégias chave para ajudar as crianças a trabalhar na sua força emocional através dos sentimentos de decepção:

1. Reconheça os sentimentos da criança

Talvez a criança não tenha sido escolhida para o papel principal na peça escolar ou não tenha alcançado o grau académico que ela queria. Talvez ele ou ela não tenha sido convidado para uma festa de aniversário ou o seu desapontamento foi sobre algo muito sério. A primeira e mais importante resposta dos pais ou educadores é ouvir e reconhecer.

Por exemplo:

“Sim, estás desapontado.

Está certo sentir isso, e não tem problema nenhum em expressares esse sentimento. 

Sim, o desapontamento dói. É uma perda.

Queres falar comigo acerca disso? Fala o que quiseres.”

desapontamento ans crianças

2. Valide a criança como pessoa

A decepção é uma crise emocional para as crianças. Quando elas lutam com um revés ou com uma derrota, as crianças olham para os pais para validação. Após uma experiência de decepção por parte da criança, o comportamento que os pais ou educadores têm com ela e a forma como falam acerca disso tem uma influência preponderante para a construção de uma opinião acerca do que significa o desapontamento. 

Discurso da criança:

Ainda estou bem?

Os meus sentimentos são aceitáveis ​​para você?

Há algo de errado comigo?

Isto está a acontecer comigo porque eu sou diferente para pior?  

Discurso dos pais ou educadores:

O desapontamento é doloroso, mas não tem nada de que te possas envergonhar.

Não faz com que sejas uma pessoa inferior.

Não conseguires algo que gostarias de ter ou alcançar não faz de ti um perdedor.

É muito importante deixar isso claro, tanto em palavras como em ações, porque os julgamentos negativos são comuns de acontecerem, quase de forma automática. A realidade da sociedade em que vivemos é que há classificações constantes, como por exemplo na escola, no desporto e até mesmo entre os pares.

A mensagem que importa deitar por terra é que a criança tem de ser um “vencedor”, um “número um” para ser aceite ou ter valor. Na grande maioria das vezes e para a maioria das áreas de vida isso é completamente impossível ou desajustado. Comentários desagradáveis ​​na escola ou entre os ciclos de amigos podem reforçar a sensação de ser um “perdedor”.

Fique atento às manifestações verbais e comportamentais da criança que indiquem desvalorização pessoal.

3. Ensine pelo exemplo

As crianças aprendem muito mais através da observação do que pelo que você lhes diz. Mostre à criança como você lida com o seu desapontamento. Deixe-a saber como você se sente e o que faz perante o desapontamento. Então a criança irá sentir-se encorajada a fazer de forma idêntica. 

4. Desejar versus ter

Fale com a criança. Discuta como tolerar os desapontamentos a curto prazo e como transferir as suas esperanças para o futuro. Tente descobrir juntamente com a criança quão realista é esse desejo ou objetivo. Esta é uma oportunidade de aprendizagem particularmente boa se a decepção é sobre não obter um objeto desejado, uma viagem à Disneyland, ou qualquer outra coisa.

Por exemplo: 

Nem todos os desapontamentos são para sempre.

Não foi possível fazer essa viagem agora, mas para o ano que vem certamente irá acontecer.

Escrutinar as nossas esperanças e sonhos, por um lado, e o que a vida pode oferecer a qualquer momento, por outro lado, é uma habilidade de vida muito valiosa. Por isso importa orientar e ajudar a criança a aprender a realidade que a vida nos impõe.

5. habilidades auto-calmantes para crianças

Mesmo os bebés praticam habilidades auto-calmantes, como balançar, chupar na chupeta e abraçar os pais. Observe a criança e note que habilidades auto-calmantes têm funcionado para ela. Sugira à criança que tente  aplicar essas habilidades quando se encontra desapontada. Recorrer a um conjunto de estratégias ou técnicas de regulação do estado emocional que sejam familiares para as crianças é uma forma eficaz e saudável de lidar com a decepção.  

6. Soluções (mas sem desaprovação)

Alguns desapontamentos só podem ser ultrapassados trabalhando na sua aceitação ao logo do tempo, mas existem outros que podem ser reavaliados e os seus efeitos transformados. Experimente falar tranquilamente com a criança e perceber quais as razões que a levam a colocar uma carga emocional tão elevada em alguns acontecimentos. Depois, conjuntamente com ela, perceba o que pode ser feito para minimizar os danos causados e de que forma mais construtiva poderá lidar com acontecimentos semelhantes no futuro.

Esteja ciente de que é realmente importante não transmitir culpa à criança por não ter conseguido encontrar uma forma de lidar com o seu desapontamento. Oriente a criança no caminho para uma solução que ela seja capaz de implementar na próxima vez. 

7. Amor incondicional

Quando a criança está desapontada, particularmente quando a decepção está conectada às suas realizações, você tem uma chance maravilhosa de mostrar-lhe que a ama exatamente como ela é. Se tiver algo a dizer-lhe ou a ensinar-lhe como mencionei nos pontos anteriores, refira-se sempre em relação ao comportamento ou atitude que ela teve ou tem perante o desapontamento e não propriamente a ela como pessoa. 

Exemplo:

“Eu gosto muito de ti, e percebo que possas estar desapontado. Acredito que da próxima vez não seja necessário teres uma atitude tão furiosa e de afastamento.”

Abraço,

Miguel Lucas