A mentalidade de vítima é um modelo auto-destrutivo que contribui para um estilo de pensamento negativo, desculpabilizante e atitudes auto-derrotistas inconscientes. A mentalidade de vítima faz com que você pense que não pode e/ou não consegue fazer as mudanças na sua vida que deseja fazer por causa dos outros, por razões que não se podem definir convenientemente, e misteriosamente “colocam-no fora das coisas”. Você sente que a vida é injusta, que você tem justificações para não ser bem sucedido e que a sorte nunca lhe bate à porta, prejudicando-o nas várias áreas da sua vida.

Para alguns, a mentalidade de vítima faz com que se sintam que algum tipo de “intervenção divina” ocorre continuamente nas suas vidas contribuindo para um sentimento de fracasso, mesmo que eles estejam fazendo a coisa certa. Essas pessoas podem dizer coisas negativas como:

“Deus me odeia.” ou “Tudo está contra mim” ou “Só a mim me acontecem estas coisas terríveis” ou “Ninguém gosta de mim”.

Algumas pessoas podem ainda adotar uma perspectiva de negatividade sobre elas mesmas, atribuindo a responsabilidade dos seus fracassos, contratempos e dificuldades à ausência de algumas capacidades suas, ao seu passado ou à sua condição de vida menos abonada, mas ainda assim, pensando que isso não seja uma consequência directamente infligida por si.

Então, em suma, a pessoa vai construindo uma ideia que pode traduzir-se por:  “pobre de mim”, sempre colocando a culpa dos seus próprios problemas em alguma entidade exterior ou por vezes indirectamente em si mesma. Para a pessoa que vai desenvolvendo a mentalidade de vítima, desenvolve igualmente uma crença de que nada dá certo para si, e ainda assim raramente sente-se responsabilizada por isso. Este artigo irá ajudá-lo a descobrir se você tem uma mentalidade de vítima, quais são as causas, quais os seus efeitos e como superá-lo.

DESCUBRA SE VOCÊ TEM UMA MENTALIDADE DE VÍTIMA

Para descobrir se você está sofrendo de uma mentalidade de vítima, observe os seus hábitos e forma de raciocinar. Agora, pergunte a si mesmo se costuma encontrar respostas para as seguintes cinco perguntas, normalmente quando as as coisas dão errado para você. Existe apenas uma resposta correta para todas essas perguntas. E você provavelmente não está dando. A resposta correta é: “Eu devo assumir a responsabilidade por causar a maioria dos meus próprios problemas.”

Se estas cinco perguntas costumam passar na sua cabeça, e você nunca responsabiliza a pessoa no espelho, você, muito provavelmente sofre de mentalidade de vítima.

  • Porque é que as outras pessoas me fazem mal o tempo todo?
  • Como é  que alguém poderia dizer que isto é culpa minha?
  • Porque é que eu não tenho tempo?
  • Porque é que eu não tenho sorte?
  • Porque é que eu nunca consigo o que mereço?

O QUE CAUSA A MENTALIDADE DE VÍTIMA?

O problema (e consequente superação) que gira em torno da mentalidade de vítima prende-se com o facto de, muitas vezes estar enraizada numa situação real, ou quando se foi alvo de circunstâncias infelizes, ou existiu a intervenção de terceiros (outras pessoas). Mas  o que verdadeiramente contribui para a construção e consequente cristalização da mentalidade de vítima, deve-se essencialmente à forma como a pessoa interpreta e se comporta nos tempos seguintes. Quando a pessoa escolhe responder a todos os obstáculos, equívocos ou divergências que se cruzam no seu caminho de acordo com o contexto que lhe aconteceu no passado. Assim, pouco a pouco, acontecimento atrás de acontecimento, você vai forjando as raízes de um pensamento distorcido, enraizando a mentalidade de vítima.

Outras fontes que estão na raiz da mentalidade de vítima, incluem:

O pensamento negativo. Você vê tudo sem esperança e sempre espera o pior, e isto por sua vez, muitas vezes transforma-se numa auto-realização de profecias, em que você promove e ampara-se em comportamentos desajustados, pensamentos negativos e atitudes depreciativas e incapacitantes contra si mesmo. Se você se identifica com este padrão de vitimização, aconselho-o a ler quatro dos nossos artigos. Irão ajudá-lo a abandonar algumas formas de raciocínio destrutivo e a abandonar as formas de pensamento negativo, implementando alternativas mais adequadas de enfrentar os seus problemas e adversidades na vida:

Baixa auto-estima. Você deseja, naturalmente, obter tudo aquilo que “merece”. Mas provavelmente de uma forma muito subtil as suas emoções dizem-lhe o contrário, você sente que não merece essas coisas que deseja. Isso estará certamente enraizado em alguma coisa. Mas quando emerge em você um sentimento de culpa, não são os seus “pecados”, vulnerabilidades ou incapacidades que você odeia, mas sim o valor que dá ou tem de si mesmo. A sua auto-estima fica diminuída devido a um conflito interno que se traduz numa luta entre aquilo que você deseja e aquilo que julga nunca vir a conseguir ou a merecer. Se a sua mentalidade de vítima está a ser perpetuada por um sentimento de baixa auto-estima, e pretende melhorar esse aspecto, leia o nosso artigo: Como melhorar a auto-estima.

Comportamento de Co-dependência. Se no seu dia-a-dia, foi-se habituando a depender em demasia das outras pessoas para a resolução dos seus problemas ou para atingir os seus objetivos, muito provavelmente não desenvolveu determinadas competências que lhe permitem ter um grau de autonomia funcional para conduzir a sua vida. Você criou a necessidade de se apegar a outra pessoa, o que pode contribuir para “confirmar” os medos sobre você mesmo ou na sua vida.

COMO SUPERAR A MENTALIDADE DE VÍTIMA

Assuma a responsabilidade pela sua vida. Decida fazer algo para gerir melhor os seus sentimentos negativos, frustração ou raiva inadequada, ressentimentos e sentimentos de desamparo e desesperança. Apresento-lhe alguns dos nossos artigos que o podem ajudar a uma melhor clarificação, entendimento e implementação de uma forma mais adequada de pensar a vida.

Use toda a informação para “curar” algumas das feridas do passado e deixar de lado esses sentimentos destrutivos e ilusoriamente incapacitantes. Implemente essas técnicas e estratégias, serão certamente capazes de o ajudar a mudar a sua forma de raciocinar e aumentar o sentimento de autonomia na sua vida. Diga a si mesmo: “Eu pretendo abandonar a mentalidade de vítima e cabe-me a mim mudar isso”.

Treine a sua assertividade para começar a gerir a vida por si mesmo. Assim que aprenda a assumir e a procurar soluções para os seus próprios problemas, o seu raciocínio começará a tornar-se mais claro, resultando em mudanças positivas:  Irá começar a respeitar-se mais a si mesmo e os outros vão passar também a respeitá-lo e a considerá-lo mais capaz  de assumir responsabilidades. Para promoção do treino da sua assertividade, leia o nosso artigo: Como conseguir atingir objetivos na sua vida.

Se você acha que é um co-dependente, comece por quebrar a dependência da sua família, amigos ou outras pessoas e aprender a estabelecer limites. Deixe de se considerar uma vítima e assuma a responsabilidade dos seus comportamentos e formas de pensar. As suas atitudes emanam de você e da forma de se comunicar consigo mesmo. Capacite-se, aprenda a arranjar as suas próprias formas de lidar com as situações de vida. Temos que parar de pensar que ter uma mentalidade de vítima é um problema sem vítimas. Não seja uma vítima de si mesmo!

Para aprofundar este assunto, pondere ler o artigo: 3 Passos para ultrapassar as dificudades pensando positivo

CONFRONTANDO A MENTALIDADE DE VÍTIMA

Tal como tenho vindo a descrever, a mentalidade de vítima é aquela em que atribuímos a responsabilidade das coisas ruins que nos acontecem, aos outros ou às circunstâncias da vida, ou até mesmo à resignação de uma incapacidade nossa (que não tenha a ver com uma responsabilidade direta). Mais do que isso, pode ser uma expectativa de que as coisas vão dar errado, porque: “As coisas ruins sempre acontecem comigo”.

Quero reforçar a ideia de que a maneira mais eficaz para superar a mentalidade de vítima é começar a assumir a responsabilidade por cada ação e circunstância na sua vida.  Ao procurar todas as formas possíveis para assumir a responsabilidade pela sua vida (dentro dos limites do aceitável), você começará a ver que: embora por vezes não consiga ter controlo total sobre algumas circunstâncias de vida, pode sempre ter um determinado grau de controlo sobre a forma como reage às situações. Pode sempre ter algumas opções de escolha e decidir o que quer fazer para minimizar e/ou resolver o problema.

Quando abraçamos esta atitude positiva e construtiva, passamos a perceber que na vida temos sempre opção de escolha, ainda que nem sempre seja a que mais gostaríamos ou a necessária, existe sempre uma forma de encontrar a opção que melhor se encaixa perante as circunstâncias.

Parto do principio que você quer o melhor para a sua vida. Mas se você estiver fazendo sabotagem a si mesmo, por certo estará no caminho para a construção de uma mentalidade de vítima. A vida está continuamente a colocar-nos à prova, e com isso a ensinar-nos lições. Se você não aprender essas lições, em seguida, a vida vai continuar a repeti-las. Ao caminharmos na vida com uma mentalidade de vítima, muito provavelmente iremos recusar-nos a aprender, continuando a fazer as mesmas coisas e continuando a obter os mesmos resultados.

Se você continuar a dar desculpas para si mesmo em vez de procurar soluções, então a sua mentalidade de vítima irá crescendo.

Apresentei algumas estratégias que certamente o poderão ajudar a superar a mentalidade de vítima. Pratique algumas dessas estratégias e técnicas, continue tentando mesmo que nem tudo surta o efeito desejado. Encontre melhores maneiras de fazer as coisas. Instrua-se. Você pode transformar a mentalidade de vítima numa mentalidade virada para a solução. Só é preciso vontade de aprender e um pouco de disciplina para continuar tentando. Acredite, mudar é possível. E a possibilidade efetiva-se, tentando.

Abraço