A ansiedade social é um sentimento de desconforto, medo ou preocupação, que é centrado nas nossas interacções com outras pessoas e envolve uma preocupação relativamente ao fato de poder ser julgado e negativamente avaliado, ou desprezada pelos outros. Embora muitas vezes possa acontecer durante uma situação social, também pode aparecer em antecipação  a uma ocasião social programada, ou depois, quando analisamos o nosso desempenho numa determinada situação.

Para a pessoa com ansiedade social, ir a uma entrevista de emprego é pura tortura: você sabe que sua ansiedade lhe causará um problema. Você pode optar por parecer engraçado, você pode ser hesitante, talvez você até possa corar, ou eventualmente não será capaz de encontrar as palavras certas para responder às perguntas de forma coerente. Talvez esta seja a pior parte de tudo o resto: Você sabe que vai acabar por dizer alguma coisa errada. Você simplesmente sabe isso. É especialmente frustrante, porque você sabe que poderia fazer bem o trabalho e poderia ter passado naquela que foi uma entrevista aterradora e intimidante.

FALTA DE ESCLARECIMENTO

Acredito que poucas pessoas socialmente ansiosos devem ter ouvido falar do seu próprio problema, eventualmente nunca o viram a ser discutido nos mídia, como talk shows na televisão. As pessoas socialmente ansiosas pensam que são os únicos no mundo que têm esses sintomas terríveis.

Sentem sensações ansiosas nos seus corpos, tais como:

  • corar
  • Sudorese
  • Batimento cardíaco acelerado
  • Agitação ou tremor
  • Boca seca
  • Falta de ar
  • Sensação de desmaio

Sentem Pensamentos ansiosos sobre si mesmos, em relação aos outros e às situações:

  • “Todo mundo está olhando para mim.”
  • “Vão pensar que eu sou um perdedor”.
  • “Eu não pertenço aqui.”
  • “Eu não tenho nada a dizer.”
  • “As pessoas vão ver como eu estou nervoso”.
  • “Eles não vão querer falar comigo novamente.”
  • “Eu vou parecer cada vez mais tolo.”

Comportamentos ansiosos, que podem ser provocados pela ansiedade, mas também podem piorar a ansiedade a longo prazo:

  • Evitar ir a situações sociais
  • Abandonar situações/lugares sociais
  • Frequentar apenas lugares “seguros” ou lugares com pessoas”seguras” e da sua confiança
  • O uso de telefones celulares, leitores de MP3 ou outros dispositivos para evitar entrar em conversas
  • Desculpar-se excessivamente
  • Solicitação de confiança dos outros
  • Preparação excessiva (memorizar o que dizer)
  • Tentativas de retirar a atenção direta das outras pessoas durante o seu desempenho (por exemplo, fazendo piadas, vestir-se de modo particular, etc)
  • Procura de sinais de julgamento dos outros sobre si mesmo

EXEMPLOS DE PESSOAS QUE SOFREM DE ANSIEDADE SOCIAL

Um homem tem dificuldades em andar na rua onde mora, devido ao seu elevado estado de auto-consciência, sente que as pessoas o observam das suas janelas de casa. Pior, ele teme ter de se dirigir a alguém e ver-se forçado a cumprimentá-lo. Ele não tem a certeza se seria capaz de o fazer. O seu tom de voz, poderia denunciá-lo, e a outra pessoa perceber que ele estava assustado. Mais que qualquer outra coisa, ele não quer que ninguém saiba do seu medo. Ele esforça-se para manter o olhar longe das pessoas, e reza para que consiga chegar a casa sem ter de cruzar-se e/ou falar com alguém.

Uma estudante, não quer ir à universidade no seu primeiro dia de aulas porque sabe que alguns professores pedem aos alunos para se apresentarem e falarem um pouco acerca deles. Só de pensar em estar lá sentada, à espera de se apresentar a um grupo de pessoas estranhas que iriam estar a olhar fixamente para ela, faz com que sinta náuseas. Ela sabe que não conseguiria pensar com clareza porque a sua ansiedade seria muito elevada, e ela não seria capaz de contar alguns detalhes importantes. A sua voz poderia ficar trémula e iria soar a medo. A ansiedade seria impossível de suportar, então ela ignora o primeiro dia de aulas para evitar a possibilidade de ter de apresentar-se em sala de aula. Este é um exemplo clássico de evitamento.

O TRATAMENTO É POSSÍVEL

Com todos estes sintomas, pensamentos e comportamentos a atormentar-lhe a mente, a vida pode ser percepcionada como um verdadeiro inferno. Certamente os ansiosos sociais pensam que seria terrível se as pessoas ao seu redor percebessem quanta ansiedade eles sentem no seu dia-a-dia. Então, o que é que as pessoas pensariam sobre eles? Infelizmente, sem algum tipo de aprendizagem, conhecimento e tratamento adequado, a fobia social e ansiedade social continuam a causar estragos na vida das pessoas com esta problemática. Existem muitos equívocos que agravam o sofrimento, e que poderiam ser evitados. Acresce ainda o fato, que, quando uma pessoa com ansiedade social começa finalmente a ter coragem de procurar ajuda, se tiver num estado muito avançado as chances de um tratamento eficaz são menores.

São todos estes sintomas, pensamentos irracionais e equívocos que ocorrem à volta das situações sociais que devem ser abordados e conquistados numa terapia psicológica. Normalmente estes sentimentos de ansiedade estão ligadas a pensamentos que se entrelaçam num ciclo vicioso de expectativas e avaliações negativas. Na grande maioria das vezes sem tratamento adequado, a ansiedade social é um tortuoso e horrível problema emocional. Na comunidade científica, é comummente aceite que a abordagem cognitivo-comportamental apresenta elevados níveis de eficácia no tratamento desta desordem incapacitante.

Existe a possibilidade das pessoas com ansiedade social terem uma vida melhor, desde que invistam no seu tratamento. Quer seja com a intervenção de um profissional, ou com um programa de auto-ajuda, o importante é comprometer-se com a melhoria do problema ansioso. Na verdade, as pessoas que não são bem sucedidas, são aquelas que não são persistentes na sua prática e que não  aplicam alguns dos métodos e técnicas simples no seu dia-a-dia. Essas pessoas, são aquelas que desistem. Saiba mais acerca deste assunto, lendo o artigo: Porque razão desistimos dos nossos objetivos?

Se está a ser atormentado pela ansiedade social, é porque os seus atuais padrões de pensamento estão a prejudicá-lo. Para libertar-se dessa prisão, você provavelmente precisará de criar novas redes neuronais no seu cérebro, com novos pensamentos que levam tempo para se cimentarem na mente, mas se você for persistente, conseguirá.

Estratégias para uma reestruturação mais funcional do pensamento:

  • A mudança não pode acontecer instantaneamente: Muitas vezes as pessoas tentam definir estratégias e quando eles não funcionam, desistem. Lembre-se que a reprogramação do cérebro pode levar meses, mas experimentar mudar os seus pensamentos durante esses meses, poupar-lhe-á anos de ansiedade desnecessária. Então lembre-se que, quando você experimentar qualquer mudança que seja na sua forma de pensar, o cérebro inicialmente irá oferecer alguma resistência. A única maneira de superar a resistência do cérebro é dedicando-se à prática repetida.
  • Você não é a única pessoa com um problema “diferente”: Nós muitas vezes focamo-nos de forma exagerada nas nossas diferenças, porque os nossos cérebros são orientados na pesquisa dessas diferenças, mas a verdade é que, se você realmente prestar atenção, verá que externamente e internamente, todos nós somos muito mais semelhantes do que parecemos. Para além de todos termos um corpo semelhante, também partilhamos de vulnerabilidades, momentos de ansiedade e depressão, assim como de erros e fracassos. Lembre-se disto na próxima vez que estiver numa situação social.
  • A insegurança e a segurança, são duas faces da mesma moeda: As pessoas que afirmaram a sua “segurança” não aboliram a sua insegurança. Elas simplesmente aprenderam a redireccionar a atenção para os seus pontos fortes ao invés das suas fraquezas. A nossa configuração cerebral está programada para accionar emoções opostas, por termos uma, não nos tornamos incapazes de sentir a outra. O que importa aqui reter, é que você ativa um determinado sentimento dependendo de onde foca a sua atenção. É semelhante à coragem e ao medo.

Citação: “A coragem não é a ausência de medo, mas a decisão de que uma outra coisa é mais importante.” – Ambrose Redmoon

  • Você tem mais a dizer do que pensa: Por vezes as pessoas sentem-se socialmente ansiosas porque receiam não saber ou não ter nada que dizer. Mas, isto acontece porque estão constantemente a pensar naquilo que “deveriam” dizer, ao invés de se focarem naquilo que querem dizer. Faça uma lista com algumas frases “quebra gelo” para usar em situações sociais, vá praticando e experimentando, e pouco a pouco, irão começar a sair de forma espontânea. Os entretainers também decoram as suas piadas. Leve ainda em consideração, que muitas outras pessoas que se encontram nesses lugares sentem o mesmo nervosismo que você. Provavelmente, algumas dessas pessoas estão desejosas que iniciem uma conversa com elas. Algumas sugestões para quebrar o gelo: “Olá, como está? Na verdade não tenho nenhum assunto para falar. Mas, pensei que seria melhor procurar alguém para falar do que estar a beber sozinho”. Ao ser honesto, certamente receberá em troco uma risada, o que provavelmente promoverá uma boa conversa.
  • Os seus sentimentos podem atrapalhá-lo: A ansiedade pode gerar preconceito. Pode promover o foco nas coisas negativas. Desta forma, se estiver socialmente ansioso, poderá pensar que odeia as pessoas, mas quando tiver essa sensação, reconheça que os seus pensamentos estão sendo formados pela sua ansiedade. Para se sentir mais positivo, faça ou diga algo positivo antes de sair. Receba uma massagem, ou tome um banho relaxante e depois saia. Isto, irá promover o seu estado mental, para interagir de uma forma mais tranquila no acontecimento social.
  • A ansiedade social é realmente um desconforto pessoal: A ansiedade social, não é realmente social. De fato, as pessoas estão a expressar uma insatisfação pessoal. Assim sendo, pergunte a si mesmo: “Como é que posso auto-aceitar-me mais?” Para se auto-aceitar relativamente ao problema que sente, é necessário perceber que ninguém é perfeito e que a perfeição não existe, e que uma das condições humanas é a necessidade de contato com os outros, e isso inclui, as nossas forças e fraquezas.

Dica: Se aceitar o seu problema, consegue ficar numa situação de olhar para o seu problema e ajudar-se, ao invés de considera-se a si mesmo – o problema.

CHAMADA DE ATENÇÃO

Relembre-se, faça alguma coisa em tempo útil e procure uma forma de resolver o seu problema. Esta é a sua oportunidade para eliminar os efeitos da ansiedade, medo e evitamento. A ansiedade social, assim como outros problemas de ansiedade, podem ser tratados com sucesso. Erradamente, muitas pessoas ficam com a ideia que têm de aprender a viver com o problema da ansiedade social. Mas não, você não tem de viver dessa forma! O tratamento é possível.

Para o ajudar a compreender o incómodo da ansiedade social, pode ainda ler os nossos outros dois artigos:

Se no decorrer do desenvolvimento da ansiedade social você tem vindo a sofrer também com episódios de ataques de pânico, quero dar-lhe a conhecer o meu livro: Ataques de Pânico – Saiba como superar os seus medos que tem ajudado milhares de pessoas a recuperar o controle sobre a sua vida e a restaurar a sua autoconfiança. Clique na imagem em baixo para ter acesso:

livro ataques de panico

E VOCÊ, SOFRE DE ANSIEDADE SOCIAL?

Deixe o seu comentário e partilhe connosco as suas experiências quotidianas. A partilha de ideias e experiências entre todos nós é fundamental para a resolução de problemas como a ansiedade social.

Abraço,

Miguel Lucas