Você já fez um teste de personalidade? Muitas pessoas fazem, ou têm, pelo menos, uma visão sobre o seu próprio tipo de personalidade. Você tem uma forma previsível de se comportar? Provavelmente sim. Mas será  benéfico ficarmos agarrados a um estereótipo de personalidade? De acordo com esta questão, simplesmente não faz sentido uma pessoa comportar-se da mesma maneira em todos os tipos de situações diferentes. O mundo está em constante mudança, as famílias são dinâmicas, mudam de emprego ou perdem o emprego, as finanças crescem ou diminuem e essas mudanças exigem adaptabilidade e respostas diferentes. Quanto mais fixa for a personalidade de uma pessoa, mais difícil será a sua adaptação a situações novas.  Se nos agarrarmos demasiado à nossa forma de ser, e esta for-se cristalizando ao longo do tempo, mais vulneráveis ​​ficaremos  à ansiedade e stress.

armadilha pensamentos

FLEXIBILIZE OS TRAÇOS RÍGIDOS DA SUA PERSONALIDADE

A vida é tão variada e tão mutável que não há um “‘tipo” de personalidade que mais lhe convenha. Traços de personalidade diferentes servem diferentes situações. Assim, como pode uma pessoa adequar-se eficazmente e satisfatoriamente às circunstâncias de vida se tiver formas fixas de ser? Como poderemos ser bem sucedidos nas situações atuais com as estratégias de ontem? Sim, nós podemos aprender com as experiências para alterar a forma como reagimos, não para continuar fazendo as coisas da mesmo forma (especialmente quando se comprovam ineficazes). Mas, infelizmente, o cérebro é uma estrutura de hábitos que quer fazer mais do que fez antes. Por esse fato, decididamente temos de ser hábeis na identificação das nossas formas cristalizadas de pensar e sempre que não nos sirvam, mudá-las, flexibilizando o pensamento.

Foi graças à diversidade genéticas que o homem moderno (homo sapiens) tomou o lugar ao homem-de-neandertal. A sua capacidade de adaptação às circunstâncias da vida e do meio ambiente permitiram chegarmos até aos dias de hoje, superando as vicissitudes impostas. Se eu perguntar a um jogador de xadrez qual é a sua melhor estratégia para ganhar um jogo, certamente ele não me responderá de forma peremptória, apontando para uma estratégia em detrimento de outra. A estratégia a adotar depende da disposição das peças e das jogadas do seu adversário.

A SUA PERSONALIDADE PODE LIMITAR AS SUAS ESCOLHAS

Se falarmos em questões de personalidade, também não se pode responder de forma concreta sobre qual o melhor tipo de personalidade. As circunstâncias de vida são mutáveis, pelo que o que nos serve hoje, pode prejudicar-nos amanhã.

Não admira que por vezes nos sintamos totalmente desadequados, que possamos fazer um papel ridículo, principalmente quando dizemos afirmações do género: “Eu sou assim e não mudo.” Só podemos desenvolvermo-nos  e crescer adequadamente, se aprendermos com as experiências passadas e adaptarmos a nossa sabedoria às novas situações e desafios. A incapacidade de muitas pessoas para fazerem isto, explica um conjunto enorme de oportunidades perdidas, incompreensões e problemas psicológicos. E, no entanto a maioria das pessoas são extremamente previsíveis. A maioria tem um repertório limitado de comportamentos bastante previsíveis. É por isso que os psicólogos podem dar-lhes um perfil de personalidade.

Contudo, muitas pessoas crêem que tomam escolhas deliberadas, que agem de acordo com a possibilidade de escolher o que é melhor para elas. Além disso, julgam (erradamente) serem capazes de colocar a sua personalidade de lado por um momento e atuarem da “melhor” maneira. Elas dizem que tinham a intenção de fazer o curso de ação que fizeram e que escolheram cuidadosamente de acordo com uma análise meticulosa. Mesmo que alguém conhecido pudesse ter previsto a forma como se iriam comportar.

Mas, o inverso também parece acontecer. Quando supostamente julgamos conhecer uma pessoa, quando quase conseguimos jurar que tipo de comportamento uma determinada pessoa nunca faria, eis que cai tudo por terra, quando lemos uma notícia que o nosso vizinho, familiar, amigo ou conhecido cometeu uma enorme barbaridade.

OBSERVE O SEU MODO DE AGIR

A verdade bastante desagradável, é que a maioria das nossas intenções aparentemente conscientes são apenas ilusões. Os nossos hábitos do passado, que compõem a nossa suposta personalidade, sequestram a nossa capacidade de exercer o livre arbítrio ou agir de maneira diferente. Se tivermos um tipo de personalidade demasiado rígido e nos apegarmos demasiado a isso, corremos o risco de não tomarmos decisões intencionais e adequadas às circunstâncias. O filtro da personalidade inviabiliza a análise de novos dados e consequentemente de podermos construir novos pensamentos que poderiam conduzir a novas respostas. Este é também um dos motivos que torna a mudança tão difícil de acontecer. Nós prendemo-nos aquilo que somos, arranjado justificações para não sermos de uma outra forma, e a nossa personalidade joga aqui um papel paralisante.

Muitas intenções para agir, ou escolhas que fazemos, não são o resultado de ter julgado a situação e fazer uma escolha consciente. Acionamos padrões de comportamento antigos. Operamos em piloto automático. Nós não somos muito sensíveis às novas situações, porque todos nós muito facilmente tornamo-nos prisioneiros da nossa própria personalidade. Abordei este assunto de forma mais aprofundada no artigo: Desapegue-se da sua personalidade, aprenda a desempenhar um papel.

A nossa personalidade em determinadas situações da nossa vida pode realmente virar-se contra nós. Pode impedir-nos de fazer o melhor para nós mesmos, de ter bons relacionamentos, e de lidar com todas as facetas improváveis do nosso mundo. Mas atenção, você não é a sua personalidade.

Você pode pensar que ter uma personalidade definida também pode ter algumas vantagens. E de fato tem. Nós gostamos de ser consistentes e que olhem para nós dessa forma. As pessoas gostam de sentir que nos conhecem e saber o que esperar de nós. Quem nos conhece gosta de ser capaz de rotular-nos e catalogar-nos. A previsibilidade (a nossa personalidade), torna-se a nossa marca pessoal. Ela define quem somos e é a nossa impressão digital comportamental no mundo. Há benefícios pessoais e sociais, para nós e  para os outros, de ser consistente na forma como nos comportamos. É também uma maneira altamente eficiente em termos energéticos para o sistema humano para operar.

No entanto, se olharmos para os nossos traços mais fixos, eles são mais benéficos se nos orientarmos pelos nossos valores, pelos valores pessoais e universais. Se perante as circunstâncias mutáveis da nossa vida utilizarmos a nossa capacidade de pensarmos acerca das coisas e de nos adequarmos às circunstâncias, e exibirmos um determinado comportamento que não seja automático, mas que expresse as nossas intenções deliberadas, estaremos a flexibilizar a nossa personalidade.

Para aprofundar o assunto, leia: Quer ter sucesso? Mude-se a si próprio

Se você quiser tirar o máximo proveito da vida terá de aprender a substituir os hábitos de personalidade mais rígidos e tornar-se mais sensível às exigências da situação. Isto significa ficar “fora de si mesmo”, sair da sua zona de conforto mental e perceber quando a sua personalidade pode estar a ser uma armadilha, impedido respostas funcionais e adequadas. É por isso que é tão importante por vezes desapegar-nos da nossa forma usual de comportamento e ponderarmos agir de forma diferente (desde que alinhado com os nossos valores mais elevados). Só então a armadilha da personalidade pode tornar-se visível, e você optar por mudar, ou não.

Abraço