Quando as pessoas se sentem mal com elas mesmas, muitas vezes tentam estabelecer novos hábitos de vida saudáveis ​​para superar esses sentimentos negativos. Podem ir ao ginásio com mais frequência, comer alimentos mais saudáveis, fazer um esforço para estabelecer forte laços com os amigos, ou adotar outras escolhas de vida positivas. Qualquer destas escolhas podem efetivamente colocar a pessoa no caminho da sua melhoria, exceto por isso: muitos se voltam para uma autocrítica negativa quando uma ou mais dessas abordagens não se encaixam nas suas crenças ou forma de estar na vida.

As intervenções comportamentais falham quando as pessoas se forçam a rotinas e hábitos que elas realmente não querem seguir, porque quando as pessoas não se sentem bem com as suas próprias escolhas, eles se rebelam, mesmo quando essa rebelião é autodestrutiva. 

Antes de iniciar uma nova rotina de exercícios ou dieta ou simplesmente trabalhar horas extras para melhorar a autoestima, primeiro tente desenvolver um novo relacionamento com você mesmo. Quando você se orienta através de autodiálogos positivos, está a investir emocionalmente nas novas rotinas e hábitos que está estabelecendo para se tornarem mais fáceis de executar e manter ao longo do tempo.

autoestima

Apresento quatro formas de dialogar para si mesmo que aumentam a autoestima: 

1. Acione a atitude positiva

Todos nós temos uma voz interna que observa e comenta sobre o mundo e como nos vemos a desempenhar os diferentes papéis na nossa vida. Para muitas pessoas, a voz tornou-se um chicote, ou um punidor, que continua a dizer como elas estão ficando para trás e a desperdiçar as oportunidades da vida: “Que grande asneira que fiz, todos viram o quão estúpido fui “,” Pareço tão gorda com aquele maiô“,” Não tenho nada de interessante para dizer, ninguém quer falar com comigo “ou” Ele nunca se interessará por mim “. Nesses momentos, pause e observe o que a sua autocrítica está falando sobre você, e cada vez que perceba uma autocrítica destruidora, acione a atitude positiva.

Esforce-se por encontrar algo positivo para fazer ou para dizer a si mesmo. Não estou falando em algo forçado ou que você nem sequer acredita. Mas sim num comportamento ou diálogo de suporte que eleve a si mesmo. 

Não se trata certamente de ignorar a realidade dos fatos, nem tão pouco dizer que tudo irá acabar por dar certo ou correr bem, ou que afinal a forma como você se ente não é assim tão terrível (quando na realidade é). Não se trata de transformar algo ruim em muito bom, não se trata de encarar tudo com um sorriso nos lábios, ou simplesmente dizer que você é maravilhoso e fantástico (ainda que isto possa acontecer). Não se trata de fingir, não se trata de fingir superar uma autocrítica terrível através de afirmações positivas, não, não, não.

A atitude positiva é ter comportamentos assertivos e construtivos em determinadas situações difíceis em prol de si mesmo. Nunca é sobre mentir para si mesmo, é tudo sobre elevar-se.

Como todas as grandes realizações na vida, há sempre um primeiro passo. Sem esse primeiro passo fundamental, nada mais pode ocorrer. Estou a falar aqui da sua atitude face às autocríticas negativas. A crença de que você pode re-orientar o seu diálogo interno no momento que apanha a si mesmo a ser “má para si mesmo”, irá permitir tomar uma atitude positiva para promover a sua autoestima.

2. Acione um motivador interno

O renomado psicólogo Albert Bandura caracterizou a crença de uma pessoa na sua capacidade de ter sucesso em uma tarefa ou situação como autoeficácia. A autoeficácia está intimamente ligada à sua perseverança: se você não acredita que realmente pode realizar uma determinada tarefa ou sentir-se bem num relacionamento ou melhorar-se, então, para quê tentar? Se você quer ter sucesso em sentir-se melhor sobre você mesmo, ative um diálogo interno que lhe diga que pode fazer a tarefa, gerenciar a situação, ganhar no esporte ou obter uma promoção.

Cada vez que você toma consciência que o seu diálogo interno está a contribuir para o seu desespero, diga a si mesmo: “Eu posso apoiar a mim mesmo“, “eu posso lidar com isso“, “eu posso fazer A ou B para me sentir melhor“, “eu acredito que se fizer desta forma, poderei ser bem sucedido” ou “eu posso tentar, e se não sair bem, fazer novamente“.

Sem um motivador interno, você ficará preso na primeira marcha. Esta tática garante que você obtenha sempre exatamente o que deseja? Claro que não. Mas melhora imenso as suas chances e coloca-o num estado de espírito mais otimista e capacitador.

3. Tome consciência das suas distorções cognitivas

Se você está lutando contra a baixa autoestima, as distorções cognitivas provavelmente estão tomando conta do seu diálogo interno. Distorções cognitivas surgem quando os nossos pensamentos literalmente deturpam os fatos do que realmente ocorreu ou possa estar a ocorrer. A distorção do pensamento, mais do que a situação, é o que pode alimentar a dor emocional e o transtorno psicológico.  

Algumas distorções comuns a serem observadas incluem:

  • Pensamento preto e branco: dizer a si mesmo que tudo é ruim por causa de uma situação ou interação, não levando em consideração as nuances e sutilezas atenuantes
  • Raciocínio emocional:  Interpretar os seus sentimentos como um fato. Você se sente abandonado, então sente que deve estar distante dos outros, esquecendo todas as instâncias quando se relacionou com outras pessoas
  • Catastrofização: Olhar para o futuro com negatividade generalizada, vendo apenas dor ou desesperança e esquecendo todos os aspectos positivos na sua vida.
  • Leia sobre outras distorções cognitivas aqui =>> Distorções do pensamento: porque causam problemas e como as mudar

4. Desenvolva um tom de voz afável no seu diálogo interno

À medida que você aceita uma maneira nova e melhorada de falar e de conectar-se consigo, é essencial que observe o “tom de voz” que usa no seu diálogo interno. Adote o tipo de tom que um ente querido usaria se estivessem tranquilizando você. Ou reflita sobre como falaria com uma criança pequena que está ficando desesperada ou angustiada.

Esforce-se para falar com calma e compaixão consigo mesmo, principalmente nos momentos mais difíceis e de revés. Um tom caloroso, quando tomado uma e outra vez, ajuda as pessoas a aceitarem-se da forma que elas são, inibindo igualmente a aversão a si mesmo. Todo mundo tem limitações, mas aceitar a si mesmo, com limitações e tudo, leva a uma maior autoestima.

Esperança renovada

Se até aos dias de hoje, e apesar de todos os seus esforços não tem vindo a conseguir melhorar a sua autoestima, e gostaria de ter acesso a algo mais aprofundado e orientador, passo a passo, quero dar-lhe a conhecer a minha palestra em vídeo: Como Melhorar a Autoestima e Autoconfiança. Para ficar a saber mais Clique Aqui.

Abraço,

Miguel Lucas