O que você normalmente faz quando tem um dia ruim? Ingere excesso de alimentos, álcool, ou outro tipo de escolhas que vão ajudá-lo temporariamente a lidar com a situação, mas que você se arrepende mais tarde?

Muitos de nós, por vezes recebemos notícias que nos deixam para baixo, ou acontece-nos alguma coisa que achamos ser perturbadora e nesse momento julgamos estar a passar pelo pior dia da nossa vida. No entanto, passado algumas horas ou dias, quando tudo acalma percebemos que tínhamos feito uma tempestade num copo de água.

O que você faz quando a vida bate forte?

Fica desesperançado e com pena de si mesmo? Reclama da vida e torna-se hostil com as pessoas que o rodeiam? Revê o seu passado e julga estar a ser alvo de uma injustiça? Emerge na negatividade e projeta o seu futuro como terrível?

Quando estamos no meio do turbilhão emocional tudo parece ser perturbador o suficiente para nos estragar o dia. Com o cenário catastrófico a correr-nos na cabeça e eventualmente com sentimentos de decepção a fazerem-se sentir, simplesmente ficamos destroçados. É nesse momento que podemos ficar vulneráveis, e julgarmos precisar de alguma forma de alívio imediato.

Muitos de nós podemos ter uma resposta instintiva às emoções negativas e refugiarmo-nos excessivamente na comida, ou dormir todo o dia, podemos adotar uma atitude maledicente ou procurarmos alívio no álcool. No imediato, qualquer destas coisas podem servir como um ventilador da frustração e provocar alívio momentâneo. No entanto, certamente a médio ou longo prazo comprovar-se-á como um inflamador do problema.

Ou, ao invés de responder com um reflexo de alívio prejudicial e fundamentalmente inútil, podemos decidir ser proativos. Decidir fazer escolhas que irão melhorar ativamente esse “dia ruim”, mesmo que no momento pareça insuportável. Escolher fazer coisas que possam ajudar a melhorar o estado emocional e o humor será sempre uma decisão mais proveitosa. 

Escolher fazer coisas que possam ser boas para a nossa vida, ao invés de sabotar ou prejudicar a nós mesmo, será certamente mais proveitoso do que procurarmos compensações penosas.  

refletir

Mas como posso recuperar do impacto emocional negativo?

Quando tudo parece ir mal, as emoções sentidas correspondem às circunstâncias fazendo-nos sentir mal. Por isso, você não pode querer sentir-se bem de um momento para o outro. Tem de ganhar consciência de que o impacto emocional dos acontecimentos irá fazer-se sentir durante um período longo (algumas horas, às vezes dias). 

Como você não é apenas as suas emoções, não é somente aquilo que sente, você é também a sua vontade de melhorar, os seus desejos, as ideias do que pode fazer para sentir-se melhor. Assim sendo, estando consciente do seu estado emocional (que não quer sentir), poderá propor-se a realizar algumas ações ou atividades que no seu retorno possam fazê-lo mudar positivamente o estado em que se encontra. Depois de se sentir melhor, poderá abordar o problema ou situação que enfrenta num estado mais capacitado e emocionalmente equilibrado. 

Exemplos de atividades ou ações que promovem o bem-estar emocional

1 – Escolha cuidadosamente as palavras que usa para descrever o que está acontecendo com você. Não se deixe ir na enxurrada emocional e evite começar a recitar o seu “livro vitimizante”. Seja específico ao descrever o que lhe aconteceu e mantenha o discurso no presente, não faças ligações ao passado nem se projete para o futuro.

2 – Acalme-se usando a sua respiração. A respiração consciente é uma das formas mais rápidas de abandonar os pensamentos negativos e focar-se no momento presente. Inspire e expire de forma lenta e profunda. Concentre-se nas sensações físicas da respiração. Foque a sua atenção no ar que entra e sai pelo nariz. Sinta o ar fresco que entra e sai à medida que vai respirando de forma lenta e profunda.

Se você está stressado, ansioso, angustiado, irritado ou frustrado, há dois métodos que você pode usar para estabilizar a sua respiração com o método anterior:

  • A – Tape a sua narina direita e inspire e expire pela narina esquerda. Faça o mesmo processo mas desta vez usando a inspiração e expiração usando a narina direita e tapando a esquerda.
  • B – Inspire pelo nariz e expire lentamente pela boca.

A respiração intencional e focada nas sensações físicas que resultam da inspiração e expiração, permite relaxar o corpo e ao mesmo tempo, mesmo que temporariamente, a mente afasta-se dos pensamentos que têm vindo a dar suporte ao estado de mau humor ou pensamentos e sentimentos negativos.

3 – Envolva-se com ações e atividades prazerosas. Podem ser coisas muito simples como fazer uma caminha, tomar um chá, ir ver o pôr so sol, beber um café com um amigo, ouvir uma das suas músicas preferidas ou até mesmo lavar o carro ou arrumar a garagem. Essa capacidade de tirar proveito e satisfação das tarefas que realizamos, por vezes, na idade vai-se perdendo. Muitos de nós perdemos ou enfraquecemos a habilidade de nos envolvermos profundamente nas atividades que nos dão satisfação, alegria e tranquilidade.

Se for o seu caso, envolva-se nas brincadeiras com os seus filhos. Se não tiver filhos, envolva-se nas atividades que gosta de realizar, foque-se nisso. Certamente irá usufruir do fenómeno do envolvimento, que dá origem a outro fenómeno, que é esquecer-se de si mesmo, do tempo e das arrelias da vida.

O envolvimento com aquilo que interage e gosta, promove o seu bem-estar, e consequentemente melhora o seu humor.

Pense antes de reagir impulsivamente

A próxima vez que você ficar chateado e tentado a aliviar a dor com muletas momentâneas, que depois lhe geram arrependimento, faça um ponto da situação e tome noção da tentação maliciosa. O que são essas muletas para você? Comida? Televisão? Álcool? Comportamento vitimizante? Tome consciência do que se propõe a fazer antes de cair em comportamentos por impulso.  

Pense quais os resultados para a sua vida se você ceder a esses impulsos. Será que os resultados melhoram o seu dia, ou a sua vida, ou vão tornar as coisas piores no final? Acredito que será muito satisfatório resistir à chamada da sirene dos seus mecanismos de enfrentamento favoritos (mas prejudicais) e escolher ativamente fazer coisas que sejam boas para si. Coisas que você será capaz de fazer apesar do seu estado de espírito negativo. Coisas que irão aliviar o stress e emoções de forma construtiva, em vez de aumentar os níveis de stress de longo prazo através de uma espiral de negatividade.

No final, poderá não ser o melhor dia da sua vida, mas poderá ser o dia em que você conseguiu dar a volta por cima. 

Abraço,

Miguel Lucas