Como reages quando cometes um erro, ou quando falhas? Tens um plano para utilizares de forma construtiva na presença do fracasso? Na construção da carreira desportiva de um atleta até ele chegar ao topo, certamente irá deparar-se com algumas perdas, fracassos e erros. A forma como desenvolve estratégias mentais para lidar com as derrotas irá ditar se ficará pelo caminho ou se transforma as dificuldades numa catapulta para avançar para o próximo nível. Independentemente do teu nível atlético, caso estejas a passar por dificuldades na tua performance, existem estratégias mentais que podes aprender para voltares a elevar o teu rendimento.

Como psicólogo, nos últimos dez anos tenho ajudado atletas que se debatem com inconsistência competitiva e fracos desempenhos desportivos a voltarem aos bons resultados.  A forma eficaz de voltar a restituir a confiança aos atletas e a fazer com que encontrem o seu caminho para o sucesso, reside na aplicação de estratégias mentais que aplicadas no treino permitem desenvolver vantagem competitiva.

Fracassos e problemas no desempenho são uma parte natural e terrivelmente frustrante de qualquer desporto. Isso pode conduzir os treinadores a duvidarem dos seus métodos e no limite levar os atletas a desistirem antecipadamente da sua carreira desportiva. A menos que os atletas aprendam a lidar de forma construtiva com as vicissitudes competitivas da sua prática desportiva, por certo irão encontrar problemas em alcançar em pleno todo o seu potencial ou alcançar os objetivos.

Em seguida apresento um vídeo onde explico o ciclo do fracasso, recuos e medos e também o modelo de intervenção para superação dos fracos desempenhos:

Inúmeros fatores podem contribuir para empurrar o atleta para um ciclo de fracassos e recúos. 

  • Um mau desempenho num jogo decisivo
  • Demasiada pressão dos treinadores
  • Os pais que colocam expectativas irrealistas nos filhos
  • Problemas familiares ou sociais
  • Uma lesão ou uma série de lesões consecutivas
  • Várias competições sucessivas com fraco desempenho
  • Esforçar-se em demasia
  • Problemas físicos ou técnicos

Ciclo do fraco desempenho / fracasso

Os fracos desempenhos, se não estiverem relacionados a fatores físicos e técnicos, são quase sempre automantidos pelo atleta. São um resultado direto do que o atleta diz para ele mesmo antes, durante e depois da competição. Pegando como exemplo o futebol, se o atleta diz a si mesmo que vai estar motivado, a chutar forte e focado nas jogadas, e enquanto faz isso, acompanha essas palavras de conforto com imagens de fracasso ( lixo ), o que você vai receber de volta em termos do seu desempenho, será mais um mau jogo.

ciclo do fraco desempenho

A imagem anterior mostra o processo cíclico da automanutenção do fraco desempenho desportivo. Os maus resultados podem ter inicio em algo tão comum como um jogo ruim, mas rapidamente leva a pensamentos negativos. Ou seja, a forma depreciativa como o atleta começa a interpretar as suas habilidades e capacidades, reduz a autoconfiança, cria expectativas pobres para o futuro, destrói a concentração, e assim por diante até que o ciclo se torna uma profecia autorrealizada.

Essa negatividade é também acompanhada por aquilo que eu chamo de DISTORÇÃO seletiva. Tudo isto significa que o atleta desenvolve uma memória de longo prazo para todos os seus problemas e falhas e uma memória de curto prazo para todos os seus sucessos. Na verdade, muitas vezes os atletas tendem a esquecer, por exemplo, todas as vitórias recentes ou até mesmo a superação recente do seu recorde. Focar apenas no que é negativo ou dificuldade, ignorar as suas realizações e colocar em dúvida as suas próprias habilidades, irá promover crenças negativas, aumentar o medo e preocupação, dificultar a concentração no que mais importa e consequentemente deixá-lo num estado emocional miserável.

Libertar-se dos bloqueios

Então, como pode o atleta libertar-se de todos os bloqueis que impedem uma boa performance? Em baixo está um modelo muito simples que eu tenho vindo a utilizar com dezenas de nadadores, jogadores de ténis, jogadores de golfe, jogadores de badminton, ginastas, judocas, karatecas, patinadores, jogadores de hóquei, e outros atletas.

Modelo intervenção recuos e fracassos

Passo 1 – Descartar as questões físicas, técnicas e mecânicas

Antes de assumir que um fracasso se deve a uma questão mental, primeiro tem que descartar os motivos físicos, técnicos ou mecânicos que podem estar causando isso. Existe alguma coisa mecanicamente errada com a sua postura, aderência, batimento, desequilíbrio?  Se houver uma falta de resistência física do atleta e isto contribui para problemas repetitivos de desempenho, em seguida, a solução é visar especificamente a melhoria da resistência. Este é um exemplo de uma dificuldade que deve ser abordada através do treino físico direcionado. Como o atleta melhora as suas habilidades nesta área particular, a sua confiança vai melhorar e a dificuldade sentida vai ser uma coisa do passado.

Às vezes, um dos bloqueios persistentes está relacionado com pressões familiares ou problemas interpessoais que o atleta tem de lidar. Muitos atletas mais jovens com que eu tenho trabalhado tem “usado” ( inconscientemente, é claro) os seus fracassos como um grito de ajuda, para fazerem notar que alguma coisa em casa ou na sua vida vai mal. 

Passo 2 – Ganhar consciência do bloqueio devido a estratégias mentais inadequadas

Os erros e fracassos são mais frequentemente automantidos pelo que o atleta diz a ele mesmo ou por aquilo que pensa pouco antes de uma competição. Como atleta tens que ficar ciente do teu diálogo interno de forma a perceberes se está a alimentar os teus receios e dúvidas, e consequentemente contribuir para a baixa performance.

Passo 3 – Normalizar e reenquadrar

Diminuição no desempenho é um fenómeno normal. Para ser um bom atleta importa entender que ao longo da tua carreira, irás ter jogos (ou competições) ruins e períodos onde nada corre bem, podendo parecer que o teu corpo te está a pregar uma partida. Isso não significa que algo está errado. Um mau jogo ou dois ou três (ou competiçoes), não significa necessariamente que perdeste qualidades e capacidades. O que pode fazer com que qualquer fracasso ou dificuldade crescer e prosperar é o que dizes para ti mesmo sobre aqueles maus desempenhos. O fracasso e sucesso está diretamente relacionado às estratégias mentais que utilizas antes, durante e depois das competições.

Ocasionalmente, um fracasso ou bloqueio pode significar algo para o atleta. Pode servir algum tipo de propósito ou “intenção positiva”, embora o atleta raramente esteja consciente disso. Uma falha ou erro pode manter um atleta seguro e livre de pressões dos pais para ganhar. Ou seja, é a maneira do atleta dizer: “Cai fora, eu não posso fazer melhor, não consegues ver que eu estou a passar por dificuldades?” Este processo pode proteger um atleta do medo do fracasso. Às vezes, um atleta que está bloqueado pode parar de tentar, o que não é bom. Às vezes, uma atenção negativa é melhor que não querer atenção nenhuma.

Passo 4 – Desafiar as crenças disfuncionais

O atleta bloqueado ou com sucessivos desempenhos fracos é aquele que pode deixar de acreditar nele mesmo. Nesta situação é muito importante a ação do treinador, ajudando o seu atleta a restaurar a crença em si mesmo. O atleta tem de ser conduzido e suportado a enfrentar os seus “Eu não sou capaz” ou “Nunca vou conseguir”. 

Passo 5 – dessensibilizar os medos

Uma das melhores estratégias para ultrapassar os fracos desempenhos relacionados com algum tipo de medo é simples: Faz aquilo que tens medo até que pare de te assustar. Medos e recúos impedem os atletas de trabalhar nas suas habilidades. Quanto mais um atleta evita algo, mais assustador isso fica. Os atletas precisam de agir e avançar na superação dos seus medosImporta que os atletas abordem os medos numa estratégia progressiva, um passo de cada vez. Por exemplo, dividir o problema / medo em pequenos processos, e trabalhá-los.

Passo 6 – Restaurar a imagética facilitadora

Uma das razões para os atletas ficarem preso nos seus bloqueios é porque na grande maioria das vezes estão “assistindo” aos filmes erradas na sua cabeça. Por exemplo, ver a imagem errada quando pensam ou ensaiam mentalmente a próxima competição. Podem ver-se a cair, a errar, a falhar, ou em último.

A saber: As imagens controlam e programam os movimentos motores.

A utilização das imagens mentais de qualidade e alinhadas com os objetivos são uma ferramenta essencial para melhorar a performance. A prática mental correta promove a correção do desempenho real. Uma das maneiras de conseguir ultrapassar os obstáculos e fracassos é praticar mentalmente a execução pretendida.  

Passo 7 – recuperar a concentração adequada

Os atletas sofrem interferências na sua boa performance, principalmente porque concentram-se nas coisas erradas antes e durante uma competição. O foco deve ser sobre o que importa fazer e sobre os elementos importantes de desempenho. Tomando como exemplo o futebol, focar-se na trajetória da bola, um companheiro de equipa em busca de uma abertura, o posicionamento dos seus pés, no aqui e agora, e não em qualquer outro lugar. O foco do atleta que enfrenta problemas na sua performance está geralmente naquilo que ocorre na sua cabeça, por exemplo, recordando a sua última corrida ou o último erro que cometeu (no passado) ou sobre os “E se isto me acontece e eu estragar tudo novamente” que está projetado para o seu futuro.

Enquanto um atleta mantém esse foco no problema, medo ou insegurança, irá continuar a ter fracos desempenhos. O atleta tem de aprender a mudar a sua concentração para as pistas visuais ou cinestésicas no aqui e agora, necessárias para jogar bem ou obter o resultado desejado.

CR7

Passo 8 – Reprogramar estratégias mentais e autoconfiança

O atleta que enfrenta fracos desempenhos na grande maioria das vezes debate-se com muita negatividade interior. Por causa de falhas repetitivas, é continuamente forçado a mandar-se para baixo por ele mesmo. Esta negatividade é parte do problema. Importa ajudar estes atletas a trabalhar para mudar a sua dieta mental (estratégias mentais de êxito). Ajudá-los a sair do diálogo interno negativo.

Passo 9 – estratégias de controlo da mobilização

Os atletas que ficam presos na inconsistência competitiva geralmente ficam muito nervosos antes e durante uma competição. Há muita incerteza e distração flutuando no seu corpo para terem um bom desempenho. A fim de conseguirem não ser afetados pelos fracassos, eles devem aprender a relaxar. Necessitam de aprender técnicas de relaxamento que podem ser usados ​​para reduzir a sua tensão.

Passo 10 – Agir como se…

Agir como se… tem a ver com a forma como o atleta se comporta antes e depois de uma performance. Refere-se à sua postura e atitude. Ao assistir a um atleta que esteja a passar por um período de dificuldade competitiva pode observar-se como ele se comportam. Os ombros podem estar curvados para a frente ou caídos, a cabeça está geralmente baixa, a expressão facial reflete infelicidade e/ou repulsa, e a forma como se movimenta é geralmente lenta e hesitante.

Agindo como se… é o que eu chamo de vantagem competitiva. Quando um vencedor se sente intimidado, ele age (postura, respiração, movimentos) de forma confiante, mantém a sua cabeça e ombros para cima, com um sorriso relaxado ou expressão tranquila e movimenta-se energicamente. Quando um vencedor se sente ansioso, ele age com calma.

Quando os atletas não se sentem confiantes ou estão a passar por dificuldade causadas por dúvidas nas suas habilidades, importa agir o como se eles estivessem confiantes e capazes de efetuar um bom desempenho, expressando-se fisicamente com uma postura e atitude positiva.

Se ainda estás tendo problemas e não consegues ultrapassar as dificuldades que enfrentas, entra em contacto comigo para o email: miguel_lucas@hotmail.com

Abraço,

Miguel Lucas