Um ataque de pânico pode ser considerado como uma súbita onda de intensa ansiedade e medo arrebatador. O seu coração bate forte e você tem extrema dificuldade em respirar. Sente tonturas e eventualmente dor de barriga. Pode até sentir como se estivesse morrendo ou ficando louco. Caso não receba tratamento adequado, os ataques de pânico podem levar ao transtorno de pânico e outros problemas associados. Esta condição incapacitante, pode contribuir para que você deixe de fazer grande parte das suas atividades normais do dia-a-dia. Mas o ataque de pânico e/ou transtorno de pânico é tratável, e quanto mais cedo você procurar ajuda ou procurar alguma forma de superar o problema, melhor. Com o tratamento, ou implementação de estratégias adequadas para o efeito você pode reduzir ou eliminar os sintomas de pânico e recuperar o controlo da sua vida.

O Kit de emergência para ataques de pânico fornece informações sobre: Noções básicas acerca do que é um ataque de pânico, entender as causas dos ataques de pânico, o que fazer se tiver um ataque de pânico, como procurar ajuda e de que tipo.

O QUE É UM ATAQUE DE PÂNICO?

O ataque de pânico é um episódio de intenso medo ou receio de início súbito e de relativa curta duração, juntamente com uma assustadora onda de sensações físicas e pensamentos.

As sensações físicas podem incluir:

  • Coração batendo rapidamente
  • Tontura / desmaio
  • Falta de ar
  • Dores no peito
  • Dormência / formigueiro
  • Transpiração
  • Agitação
  • Náuseas

Os pensamentos podem incluir a sensação de que você está:

  • Fora de controlo físico e/ou emocional
  • A morrer
  • A ter um ataque cardíaco / curso
  • A desmaiar
  • Enlouquecendo

Um ataque de pânico é uma intensa reação em cadeia, física e mental. Pode começar com uma simples sensação corporal ou um pensamento sobre algo ameaçador. Em poucos segundos, uma reação em cadeia é accionada, envolvendo pensamentos de medo, reações físicas, e sentimentos de terror e desespero. Na maioria dos casos, um ataque de pânico pode começar com uma variedade de sintomas e atingindo um pico dentro de 10 a 15 minutos, sendo que depois vai gradualmente diminuindo. Os efeitos secundários, no entanto, podem durar um longo período de tempo. Às vezes, pode demorar um ou dois dias só para voltar ao seu estado físico e mental normal, após um ataque de pânico. Com o tempo, os ataques de pânico podem começar a alterar a  sua maneira de pensar, agir e sentir a sua vida diária, mesmo quando você não está tendo um ataque de pânico real.

Enquanto as sensações de pânico são uma resposta natural ao perigo, os ataques de pânico, geralmente estão fora de proporção em relação a qualquer perigo real que a pessoa pode estar enfrentando no momento. Eles parecem ter vida própria.

O QUE É O TRANSTORNO DE PÂNICO COM AGORAFOBIA?

A Agorafobia é um transtorno de ansiedade, que se caracteriza pelo medo de estar numa situação onde se pode experimentar a ansiedade ou pânico e onde escapar da situação pode ser difícil ou embaraçoso. Pessoas com agorafobia podem sentir-se ansiosas com algumas coisas, tais como a perda do controle da bexiga ou intestino ou receio de engasgarem-se com a comida na presença dos outros. Podem ainda sentir-se ansiosas quando estão sozinhas em casa, sair de casa, ou estar num lugar lotado, como em transportes públicos ou num elevador, onde possa ser difícil ou embaraçoso encontrar uma saída.

Muitas pessoas podem ter um ou dois ataques de pânico a qualquer momento das suas vidas, sem que necessariamente se torne incapacitante ou venham a desenvolver transtorno de pânico. No entanto, para algumas pessoas os ataques de pânico são recorrentes. Quando isso acontece, elas podem preocupar-se com os ataques e podem começar a mudar as suas vidas, isto acontece porque começam a desenvolver medo de poderem vir a ter outro ataque de pânico. Neste caso, podemos considerar que a pessoa desenvolveu um transtorno de pânico.

Algumas pessoas com transtorno de pânico, às vezes, começam a restringir as suas vidas por causa do incómodo dos ataques. Na grande maioria das vezes deixam de ir a locais públicos ou deixam de usar transportes públicos. Podem ainda sentir a necessidade de ter um parceiro ou amigo que os acompanhe na maior parte do tempo para se sentirem mais seguros. Este problema de ter receio de lugares públicos ou de estar em espaços abertos,  tal como referi anteriormente, é chamado de agorafobia. Quando se verifica este quadro de sintomas ou situações incapacitantes e de evitamento, a pessoa desenvolveu transtorno de pânico com agorafobia.

A saber: O transtorno de pânico caracteriza-se por ter medo de vir a ter medo.

Situações ou atividades que você tem tendência a evitar se tiver agorafobia:

  • Estar longe de casa.
  • Ir a algum lugar sem a companhia de uma pessoa “segura”.
  • O esforço físico (por causa da crença de que isso poderia desencadear um ataque de pânico).
  • Ir a lugares onde não sejapossível uma fuga fácil (por exemplo, restaurantes, teatros, lojas, transportes públicos).
  • Dirigir.
  • Locais onde seria embaraçoso ter um ataque de pânico, como um encontro social.
  • Comer ou beber qualquer coisa que pudesse provocar pânico (como cafeína, álcool ou certos alimentos ou medicamentos).

Atenção: Apesar da agorafobia poder desenvolver-se em qualquer altura, geralmente aparece no espaço de um ano após o primeiro ataque de pânico recorrente.

O QUE CAUSA OS ATAQUES DE PÂNICO E TRANSTORNO DE PÂNICO?

Nem sempre se tem uma noção clara acerca daquilo que provoca um ataque de pânico pela primeira vez. A vulnerabilidade e/ou susceptibilidade a ter ataques de pânico pode ser comum em algumas famílias ou algumas pessoas podem ter uma forma de ser e de pensar que as torna mais propensas. O primeiro ataque de pânico geralmente verifica-se em momentos de stress ou em reacção a uma experiência traumática. Após o primeiro ataque de pânico, as pessoas começam a prestar mais atenção aos seus sintomas físicos. Eles muitas vezes começam a ficar com medo das suas próprias reações físicas. Começam a ficar num estado de hipervigilância sobre os seus sintomas físicos ou algo que possam considerar como ameaça. Quando isto acontece, qualquer situação/alteração que produza uma reação física semelhante, tais como o exercício físico, emoções fortes ou mesmo uma mudança na temperatura, podem desencadear um ataque de pânico. A pessoa passa a fazer um conjunto de associações (de medo) erradas que provocam uma reação em cadeia, fazendo disparar o sistema nervoso autónomo que deixa a pessoa num estado elevado de excitação. Este estado de excitação é interpretado como perigoso, levando ao completo descontrolo.

É UM ATAQUE CARDÍACO OU UM ATAQUE DE PÂNICO?

Tal como já referi, a maioria dos sintomas de um ataque de pânico são físicos, e muitas vezes esses sintomas são tão graves que as pessoas pensam que estão tendo um ataque cardíaco. De facto, muitas pessoas que sofrem de ataques de pânico vão muitas vezes ao médico ou ao pronto-socorro (urgências) porque acreditam que a sua vida está em risco. Embora seja importante para descartar possíveis causas de sintomas médicos, como dor no peito, palpitações do coração, ou dificuldade para respirar, é  na grande maioria da vezes o pânico que é ignorado como uma causa potencial do mal-estar sentido, e não o contrário. Se este tipo de episódio ou situação já lhe aconteceu, certamente desmistificou a possibilidade de sofrer de alguma condição médica prejudicial à sua saúde. Desta forma,  pondere a possibilidade de procurar ajuda adequada ao seu problema, normalmente recorrendo a um psicólogo ou psiquiatra.

O QUE FAZER PERANTE UM ATAQUE DE PÂNICO?

Se até ao momento ainda nunca recorreu ao hospital, tal como referi anteriormente, o mais sensato será fazer um exame físico completo.  O primeiro passo a ser dado, é marcar uma consulta com o seu médico para descartar qualquer problema de saúde física. Muitos sintomas do pânico podem ser assustadores e podem ser similares a algumas condições médicas. Se junto do seu médico confirmar que não há nenhum problema físico, você precisa lembrar-se disso quando voltar a sofrer de um ataque de pânico. A confirmação de que não existe nada de errado consigo é uma premissa para reestruturar a crença de que tudo não passa de medos “irracionais” e consequentemente nada de mal lhe irá acontecer.

O QUE FAZER DURANTE UM ATAQUE DE PÂNICO?

Tente não lutar contra o que você está sentindo. É importante relembrar-se que está a sentir uma intensa ansiedade e o mais certo é ser desproporcional a qualquer perigo real que possa julgar estar presente nesse momento. Muitas vezes, lutar contra os sentimentos, evitando-os ou tentar distrair-se pode realmente aumentar o seu medo de pânico e aumentar ainda mais o desconforto sentido. É importante relembrar-se que o pânico nunca é permanente, a maioria dos ataques de pânico nunca duram mais do que alguns minutos (em média, 4 a 6 minutos). Depois de atingir um pico de desconforto a tendência é para que a intensidade dos seus sintomas diminua.

Relaxe. O relaxamento é a chave para superar os ataques de pânico. As técnicas de relaxamento, tais como, relaxamento imagético, controlo da respiração e meditação podem ser praticados para ajudar a relaxar. Um exemplo de controlo da respiração é a respiração lenta e profunda.

Exemplo: respire calmamente e em silêncio, conte para si mesmo à medida que vai inspirando: 1 … 2 … 3 … 4 … 5…, sustenha a respiração por um breve momento e expire continuando a contar para si: 1 … 2 … 3 … 4 … 5 …, repita o processo durante cerca de cinco minutos para que o equilíbrio de oxigénio e dióxido de carbono possa voltar ao normal. Este é um processo muito eficaz quando utilizado aos primeiros sinais de um ataque de pânico.

Desafie o seu medo. Tente ser consciente acerca do que você está pensando e veja se consegue desafiar esses medos.

Apresento algumas perguntas que você pode fazer a si mesmo:

  • “De acordo com o que agora sei sobre os ataques de pânico, e levando em consideração o recente check-up médico que descartou a possibilidade de qualquer explicação física para os episódios, estarei realmente tendo um ataque cardíaco, derrame ou a enlouquecer? O que eu temo está realmente a acontecer, ou o mais provável é que estes sintomas façam parte da minha resposta de ansiedade? “
  • “O que é que eu aprendi da minha experiência com ataques de pânico? Já tive esses sentimentos antes e eles nunca me provocaram dano nenhum (morte), ou não passam de um ataque de pânico, tendo a causa no meu medo infundado?”
  • “Se alguém que eu conheço estivesse sentindo estes sintomas, o que eu lhe diria para tranquilizá-lo que o que ele está sentindo são apenas sintomas de ansiedade?”

Dê um tempo a si mesmo. Tente não se apressar durante um ataque de pânico. Não tente distrair-se ou fingir que não está sentindo a ansiedade. Não deve fazer isso, porque muitas vezes é esse facto que aumenta a ansiedade. Reconheça os seus sintomas como “apenas os sintomas”, lembre-se que você pode separar aquilo que sente, daquilo que pensa ou do medo  que está a viver. Algumas pessoas acham útil pensar no pânico como se fosse idêntico a “surfar uma onda ” em que a onda vai crescendo, atingindo um pico, para em seguida diminuir suavemente na praia. Quando se sentir restabelecido, volte ao que estava fazendo.

Desenvolva e aplique o poder do pensamento positivo. Outra forma que contribui para a redução dos ataques de pânico é perceber a maneira que você fala para si mesmo, especialmente durante os períodos de maior stress e pressão.  Os ataques de pânico geralmente começam a formar-se quando você diz a si mesmo coisas assustadoras, como “Eu sinto-me tonto… Eu estou prestes a desmaiar!” ou “Eu estou preso neste engarrafamento e algo terrível vai acontecer!” ou “Se eu sair, eu vou perder o controlo e fazer má figura.” Estes pensamentos são chamados de “previsões negativas” e têm uma forte influência sobre a maneira como sente o seu corpo. Se você estiver mentalmente prevendo uma catástrofe, o seu corpo irá disparar uma resposta de alarme, uma resposta de “lutar ou fugir”.

Adote um atitude positiva, tente concentrar-se em pensamentos positivos, calmantes e capacitadores, como “Eu estou aprendendo a lidar com as sensações ansiosas de pânico e sei que algumas pessoas conseguem superar o pânico “ou “Isto vai passar rapidamente, e eu posso ajudar-me a mim mesmo, concentrando-se na minha respiração e imaginar um lugar relaxante ” ou ” Estes sentimentos são desconfortáveis, mas eles não vão durar para sempre. “

Para aprofundar este assunto, pondere ler os artigos:

Será muito útil  lembrar-se de alguns dos seguintes factos sobre os ataques de pânico:

  • Um ataque de pânico não pode causar insuficiência cardíaca ou um ataque cardíaco.
  • Um ataque de pânico não pode fazer você parar de respirar.
  • Um ataque de pânico não pode fazer você desmaiar.
  • Um ataque de pânico não o leva a “enlouquecer”.
  • Um ataque de pânico não pode fazer você perder o controlo de si mesmo (poder pode, mas apenas se você permitir).

PORQUE RAZÃO CONTINUA A TER ATAQUES DE PÂNICO?

Depois do transtorno do pânico se desenvolver, geralmente torna-se num ciclo diário de medo. O ciclo começa com a ansiedade antecipada sobre onde, quando e como é que o próximo ataque de pânico pode ocorrer. As pessoas com transtorno de pânico muitas vezes tornam-se conscientes e preocupadas com as mudanças físicas que podem acontecer no seu corpo. Esse crescendo de medo e ansiedade, muitas vezes leva ao aumento do medo da situação temida, aumentado igualmente a probabilidade de realmente ter um ataque de pânico e, para algumas pessoas, esta é a razão para evitar a situação por completo. As pessoas que têm transtorno de pânico com agorafobia, podem gastar muito do seu tempo evitando actividades e lugares que julgam poder vir a desencadear um novo ataque de pânico.

É importante, não deixar que uns poucos ataques de pânico se tornem num problema maior, a longo prazo. Alguns pontos-chave que deve levar em consideração, são:

Não evitar situações ou atividades habituais. Tente não evitar as situações ou actividades que estão relacionadas com o pânico. Por exemplo, não tente evitar o exercício, os transportes públicos, ou dirigir. Se você está começando a temer ou a evitar certas situações, precisa pouco a pouco voltar a fazer essas coisas. Esta é a melhor maneira de aprender que o pânico não precisa impedi-lo de realizar as suas atividades habituais e que você pode passar por isso sem prejuízos de maior.

Para aprofundar este assunto, pondere ler o artigo: 5 estratégias para aliviar a ansiedade

Evite auto-medicar-se. Evite a ingestão de álcool, isso não irá ajudar a diminuir as sensações de pânico e, a longo prazo irá torná-los pior. Os tranquilizantes, por vezes, têm um efeito muito curto, não sendo úteis a longo prazo, sendo que podem surtir num problema dado que é fácil tornar-se dependente. É importante que fique a saber que alguns medicamentos para a ansiedade podem ser viciantes. Deverá sempre obter aconselhamento médico acerca de qualquer medicação.

Evite o desenvolvimento de hábitos prejudiciais. Algumas pessoas com ataques de pânico começam a usar muitos comportamentos supersticiosos para se protegerem. Por exemplo, podem levar garrafas de água ou um determinado livro em caso de pânico, ou que só podem seguir determinadas rotas, pois transmite uma sensação de segurança. Se você executa algum deste tipo de hábitos insidiosos na sua vida, tente revertê-los. Embora possam parecer inofensivos, eles podem impedir a aprendizagem de que os ataques de pânico não são perigoso e que você pode conseguir lidar sozinho com a situação.

O QUE DEVO SABER MAIS, ACERCA DO TRANSTORNO DE PÂNICO?

Como em qualquer outro transtorno, as pessoas com transtorno de pânico podem ter várias complicações. Algumas pessoas pensam que são fracas ou que têm algum defeito, por terem ataques de pânico. A tensão e esforço que o transtorno de pânico coloca nas famílias, pode contribuir para o surgimento de problemas conjugais e familiares. Além disso, cerca de um terço das pessoas com transtorno do pânico também têm depressão ou problemas com drogas ou álcool. Se você tem transtorno de pânico ou agorafobia, e de acordo com o que anteriormente referi, um exame físico completo é o primeiro passo no seu processo de recuperação. Posteriormente procure aderir a um programa de recuperação e tratamento do transtorno de pânico.

OBTER AJUDA

Conversar com uma pessoa próxima (cônjuge, parente, amigo) pode ser muito útil, especialmente quando você se está sentindo muito angustiado. É importante não se tornar excessivamente dependente do apoio dos outros e deve decidir-se a lidar com  os seus ataques de pânico e começar a enfrentar situações por si mesmo.

A boa notícia é que os tratamentos para o transtorno de pânico e agorafobia são eficazes. Existem dois tipos principais de tratamento que funcionam muito bem. São eles:

Terapia Cognitivo-Comportamental. A Terapia Cognitivo-Comportamental é normalmente aplicada por um psicólogo que lhe ensina as habilidades práticas para ajudar a superar os seus ataques de pânico. A Terapia Cognitivo-Comportamental tem sido demonstrada em diversos estudos como o tratamento escolhido para os transtornos de ansiedade. É especialmente eficaz em ajudar as pessoas a superar os ataques de pânico, com cerca de 80% a 85% das pessoas a conseguirem superar o pânico, geralmente dentro de oito sessões de tratamento.

Medicamentos. Existem alguns medicamentos específicos que mostraram ser eficazes na redução dos ataques de pânico. Estes geralmente precisam ser tomados durante um período significativo de tempo e devem ser prescritos pelo psiquiatra. É importante levar em consideração e a toma de medicação pode ter um efeito negativo com o decorrer do tempo, dado que a pessoa pode associar a sua segurança ao medicamento, tornando-se dependente do mesmo.

A cura é possível

Se os ataques de pânico têm retirado qualidade à sua vida e apesar de todos os esforços que tem vindo a realizar, não tem conseguido obter resultados positivos, pondere adquirir o meu livro que tem ajudado centenas de pessoas a recuperar a sua qualidade de vida: Ataques de Pânico – Saiba como superar os seus medos.

Clique na imagem em baixo para ter acesso ao Livro:

livro ataques de panico

Abraço,

Miguel Lucas