Muitas são as pessoas que sofrem com a depressão, muitas são as pessoas que sofrem com os maus diagnósticos da depressão e da sua solução de tratamento. Muitos são os equívocos entre o diagnóstico e o tratamento. As causas da depressão podem ser múltiplas e são diferentes de pessoa para pessoa. Talvez porque se depara com um problema de relacionamento, talvez sinta um tédio permanente no seu emprego e não tenha coragem de mudar para outro devido aos riscos envolvidos. Talvez alguns de nós estejamos desmoralizados pelas exigências da vida e do consequente stress que vamos acumulando. Talvez você esteja a lutar com um problema de saúde que não pode ser resolvido, como uma dor crónica ou uma doença crónica como a diabetes. Talvez você tenha enveredado por um conjunto de hábitos aditivos como álcool, drogas, sexo ou comida na tentativa de escapar à dor emocional provocado pela diminuição do seu humor. Talvez você esteja tão centrado nas coisas que lhe aconteceram no passado que não consegue viver o presente, ou pior, você está a deixar que o seu passado condicione e dite como deverá viver no presente.

À primeira vista qualquer destes cenários pode não parecer ter nada de incomum. Estes desafios e dificuldades parecem ser o prato de cada dia de cada um de nós. No entanto, muitas são as pessoas que entram num calvário de vida devido à forma como lidam com estas situações. Muitos de nós, somos susceptíveis a cair nas malhas da depressão, devido à forma como interpretamos os factos que nos acontecem e da forma como lhes reagimos. É na verdade, na forma como respondemos às contrariedades e adversidades da vida que podemos ficar mais ou menos susceptíveis de vir a sofrer de um problema incapacitante como a depressão. Pretendo neste artigo ajudá-lo a identificar e a compreender o que é a depressão e como é que ela se faz sentir. Apresentarei alguns dados para desfazer alguns mitos sobre a depressão, e como este transtorno de humor pode conduzir as pessoas a anos de incapacidade funcional.

 A PERSPECTIVA DA TERAPIA DA ACEITAÇÃO E COMPROMISSO

A Terapia da Aceitação e Compromisso (ACT em Inglês) oferece uma nova visão sobre a depressão, sugere que existem um conjunto de factores sociais, nomeadamente na forma como cada um de nós enfrenta as situações desafiantes da vida e a nossa consequente vulnerabilidade emocional. A grande maioria de nós tem a ideia que a atitude perante uma situação difícil na vida, é ser-se forte e não nos permitirmos a sentir qualquer tipo de dor. Pior ainda, talvez você tenha aprendido que ter emoções negativas como, tristeza, culpa, irritabilidade ou medo não são saudáveis e tornam-nos pessoas infelizes. Talvez, você tenha caído no hábito de evitar situações problemáticas na sua vida, na esperança que elas possam simplesmente desaparecer e consequentemente você consiga vir a sentir-se melhor novamente.

A reter: Mas a depressão não aparece vinda do nada, não emerge do vácuo, e o facto de surgir na nossa vida é um sinal de que algo não está bem ou não acontece como gostaríamos.

Considere o seguinte: Talvez evitar os problemas oriundos da sua relação, família, trabalho, ou saúde não faça simplesmente o problema desaparecer, pelo contrário, provavelmente estará a contribuir para o agravamento da situação. Se você não abordar os seus problemas de frente, a probabilidade de eles irem crescendo é grande, as coisas podem piorar, a sua depressão irá ser cada vez mais incapacitante e você talvez comece a evitar outros problemas, até ao ponto que deixa de fazer muitas das coisas que anteriormente fazia. Aquilo que julga ser a solução, passa a ser o problema.

Igualmente se você não se sente realizado no seu trabalho e a sua forma de enfrentar a situação é não pensar no facto de que o seu trabalho perdeu o significado para si, evitar o que sente só irá fazer com que se desligue cada vez mais do seu trabalho até que fique sem qualquer tipo de motivação para se levantar todas as manhãs.  O seu problema cresceu, tornou-se ainda mais difícil e você com mais sentimentos de angustia e desespero. Com esta situação a degradar-se (ou outra qualquer) você está ciente que não está a resolver o problema que lhe vai retirando a sua auto-estima e valor próprio. Mesmo que não seja intencional, cair num padrão de evitar as coisas que lhe são desagradáveis, sentimentos dolorosos ou a própria situação, tudo isto irá fazer aumentar a sua sensação de angústia e consequentemente sentimentos de culpa e desesperança.

A reter: Por este motivo, deve redefinir a sua ideia acerca das suas vontades ou ausência delas. Toda a falta de energia e letargia são sintomas do seu estado depressivo, pelo que deverá levar isto em consideração, não se confundir com os seus sentimentos e sensações de incapacidade e esforçar-se por fazer as atividades que anteriormente fazia.

Analise as circunstâncias de vida que estão presentes e possam estar a contribuir para a sua depressão. Depois considere a informação atrás referida, coloque a sua vida em perspectiva como se visse o filme da sua vida a andar para trás e faça a si mesmo as seguintes perguntas:

  • Se a sua depressão lhe está a transmitir algo acerca da sua atual situação de vida, qual será a mensagem?
  • Será possível que a depressão esteja a protejê-lo de ter que sentir a dor emocional, que de outra forma sentiria se enfrentasse a situação problemática?
  • Será que os comportamentos que tem tido no sentido de evitar a dor emocional, não estarão a contribuir para piorar o seu estado depressivo?

Um passo importante no caminho para o desenvolvimento de um vida significativa é começar a fazer perguntas incomuns que normalmente geram algumas respostas confusas. No entanto, sentir-se confuso pode ser um bom sinal no inicio do processo, porque as coisas que irá pensar talvez possam ajudar a “arrefecer” a situação em que se encontra, de facto, pode levá-lo até a fazer o oposto daquilo que tem vindo a fazer. Por exemplo, se pensar que se está a protejer-se  a si mesmo evitando entrar em conflito com o seu parceiro não discutido com ele a insatisfação que sente no seu relacionamento, isto só irá fazer com que o problema no relacionamento cresça e piore. O que fará com que aumente a sua depressão, e não a diminua. Quando se tem depressão, existem todo o tipo de situações paradoxais e ambíguas com as quais deve aprender a lidar. Por vezes aquilo que lhe parece óbvio, pode ser exatamente o que está a contribuir para o aumento e manutenção do seu estado deprimido.

Dica técnica: Como já referi, a depressão é uma condição muito incapacitante que coloca a pessoa num ciclo de distorções do pensamento, o que provoca um desprendimento com a vida. Neste sentido, a pessoa que percebe que passou a pensar de forma diferente acerca das coisas e de si mesmo, deverá fazer um esforço para colocar essa “nova” forma de raciocinar em questão. Deverá contrapô-la e tentar entender o que a levou a chegar a esse estado. Caso encontre uma relação, está dado o primeiro passo para poder ajudar-se e/ou procurar ajuda.

depressão

SIGNIFICADO DA PALAVRA DEPRESSÃO

Depressão é uma interessante palavra à qual se atribui muitos significados. Vejamos alguns exemplos de algumas formas como a usamos na linguagem do dia-a-dia:

    • Tristeza: Um estado de infelicidade e desesperança
    • Transtorno psicológico: Um transtorno caracterizado por sintomas, tais como sentimento de desesperança e desânimo, falta de concentração, perda de energia, transtorno do sono e do apetite, pensamentos auto-críticos, e por vezes tendências suicidas.
  • Crise económica: Um período em que a economia é muito afetada pelo desemprego, inflação, pobreza, improdutividade.
  • Atividade reduzida: Uma diminuição na atividade, qualidade, vitalidade ou força
  • Concavidade: Uma formação geográfica mais baixa do que a área circundante
  • Zona de baixa pressão: Uma área de baixa pressão barométrica que usualmente provoca chuva.

Tal como os muitos significados, a experiência da depressão varia significativamente de pessoa para pessoa. No entanto, existem aspectos comuns que formam a base do entendimento acerca do que é a depressão (do ponto de vista da minha explicação) e o que a define. Acredito que a depressão tem a ver com um período de constrição (aperto), como se tivéssemos numa zona de baixa pressão na nossa vida. A constrição de vida, significa que você não está a ser bem sucedido em transformar a sua vida naquilo que gostaria e/ou idealizou. A sua vida não lhe está a permitir sentir um senso de vitalidade, propósito e significado que você esperava ter. À medida que gasta mais e mais da sua energia na tentativa de lidar com os sintomas da depressão, você fica cada vez com menos energia para dedicar às outras áreas da sua vida. Como resultado, a esfera onde se desenrola a sua vida começa a encolher e a ficar comprimida. Com as suas opções de vida restritas, as suas atividades ficam extremamente comprometidas em número e em extensão. Isto é o que podemos chamar de “compressão da depressão“.

Nós comportamo-nos de formas distintas quando estamos a viver um período de compressão da depressão. As pessoas com depressão queixam-se, não apenas de tristeza, mas também de um senso de entorpecimento e distanciamento. Ter o impulso e a intenção de envolver-se em determinadas atividades ou interesses, como relacionar-se com os outros, saúde, trabalho, lazer, parecem ser menos importantes e menos necessários. É como se caminha-se de olhos vendados, mesmo sentido que caminha não tem a noção para onde se deve dirigir, perdendo o senso de direcção e orientação na sua vida. Você tem igualmente dificuldade em ver ou aperceber-se dos obstáculos, não os detetando ou ignorando-os, provocando um tropeçar constante em situações de vida desagradáveis.

DEPRESSÃO E RELAÇÃO COM A VIDA

De acordo com o que tenho vindo a explicar, ou seja, que a depressão estabelece uma relação com a nossa vida e com a forma como interpretamos os factos e situações em que estamos envolvidos, constata-se que as causas são múltiplas, dependendo da história de vida de cada um de nós. Sendo que posso afirmar com toda a convicção que a depressão não é uma doença, e que consequentemente não é provocada de forma endógena por um desequilíbrio químico (falta de serotonina) no cérebro.

Para aprofundar este assunto, pondere ler o artigo:

Existem cinco grandes áreas em que as pessoas experienciam a espiral descendente da depressão: sentimentos, sensações, pensamentos, memórias e comportamentos. Na segunda parte deste artigo, abordarei estas cinco grandes áreas importantes no entendimento e enquadramento para o alívio da depressão. Irei ainda descrever os seis principais mitos/equívocos acerca da depressão.

Abraço,

Miguel Lucas