Por vezes a dor invade a vida, invade-nos sem convite ou aviso prévio, impõe-se sem pedir opinião, sem quês nem porquês. Rejeitamo-la, odiamo-la, não sabemos lidar com ela. Tira-nos do sério, enfraquece-nos a esperança e o espirito. Não sabemos nem queremos relacionarmo-nos com a dor. Mas ela faz-se sentir, entranha-se na pele, no músculo, e até na mente. Corrói-nos por dentro. Altera-nos os sentimentos e a forma de estar no mundo. Quer queiramos ou não, acabamos por ter um relacionamento com a dor, a dor física, a dor emocional. Aprender a relacionarmo-nos com a dor, sempre que ela se faz sentir, pode acalmar essa mesma dor. Não, não é fácil, mas é primordial. Não, não a pedimos, mas temos de a acolher.

Acolher a dor, aceitá-la, acalmá-la, suportá-la, combatê-la, amenizá-la, são tudo formas de nos relacionarmos com a nossa dor, e, em algum momento terão de tomar a dianteira da nossa atenção. Aceitá-la, acalmá-la, suportá-la, combatê-la, amenizá-la, são tudo formas de superá-la.

Saber lidar com a dor do passado no presente

Você sonha com o futuro como uma forma de lidar com o presente? Você tem dificuldades de lidar com o seu presente, e este tem sido uma repetição das suas experiências passadas? Você tem vindo a evitar lidar com sua situação atual, criando uma fantasia no seu futuro onde se visualiza livre da dor que o tem vindo a atormentar?

Se você se identifica com a anterior descrição, certamente sente que a vida está a fugir-lhe. Para quê projetarmo-nos no futuro, ou amarrarmo-nos ao passado quando temos uma crise no presente?  Ficamos sem saber como fazer para parar o tumulto que atormenta as nossas vidas. Ficamos “congelados” nos nossos caminhos, ficamos confusos. Ficamos incapazes de ajudar a nós mesmos, e por vezes permitimo-nos a “medicar” os nossos problemas. Dê uma boa olhada em como você lida com as questões que geram dor na sua vida.

Você é alguém que tem tendência para ter comportamentos aditivos numa tentativa de diminuir a sua dor? Por vezes tendemos a refugiar-nos em algo que nos diminua as tensões que estamos a enfrentar. Isto certamente não é um tema novo na sua vida. Se esta é a sua realidade, é essencial aprender a lidar de forma saudável com o seu problema.

A primeira posição que você deve tomar é entender que fugir dos seus problemas é o problema. Olhar o problema de frente, aceitá-lo e compreendê-lo pode ser usado ​​como uma ferramenta para resolver os conflitos internos ou a paralisação da ação. Por vezes a vida apresenta-nos algumas questões que se repetem. Repetição sem resolução é perigoso, porque o problema vai aumentando.

Não fuja de si mesmo. Reserve um tempo para ser sincero sobre como você lida com as coisas e comprometa-se a mudá-las. O “como eu faço isso” está essencialmente em aceitar o seu comportamento e assumir o controle dos seus problemas um de cada vez.

desafios

Superar os maus dias

Tem dias que acordo sem vontade, mas cambaleio com os olhos no objetivo,

Tem dias que bate uma ansiedade tremenda, mas foco a minha atenção no meu trabalho,

Tem dias que olho no espelho e vejo alguém esbatido pela dor emocional das perdas, fracassos, desilusões, injustiças, palavras amargas, mas sacudo a poeira das tristezas e saio à rua para mais um dia,

Tem dias, que tudo parece errado, que todo o mundo me olha de lado, e eu sinto-me desajustado, rejeitado, amargurado, sorrio, incentivo-me, olho para o lado e sei que amanhã é mais um dia,

Tem dias que me lembro que já tive muitos dias maus, sorrio, sim sorrio, pois superei todos, e hoje é dia para me sentir um afortunado, um sortudo, um lutador, um vencedor, hoje é mais um dia,

Tem dias que são apenas mais um dia,

Tem dias que sei que posso fazer muito por esse dia,

Tem dias que sei que posso fazer muito por mim e pelos outros,

Tem dias que vale a pena ter consciência de que este foi mais um dos melhores dias da minha vida,

É, tem muitos dias, em que cada dia é uma oportunidade de expressar o melhor que existe em mim,

Tem esses dias todos em que vale a pena dizer: amanhã é outro dia.

- Miguel Lucas

Olhar o mundo pelo lado bom

Reveja a forma como você olha para o mundo. A maneira como você vê o mundo ao seu redor é uma escolha. Você pode optar por olhar para o bem ou você pode escolher focar-se no mau. Depende completamente de você. Uma vez que perceba que o controle sobre a sua perspectiva depende de você, provavelmente irá perceber que não faz muito sentido concentrar-se no negativo. Focar-se no que está acontecendo de errado só o manda para baixo. Mude o seu ponto de vista e toda a sua vida vai mudar também. Olhe o mundo pelo lado bom.

Aceitar para aliviar

Quando aprendemos a aceitar a adversidade como uma parte natural da vida, começamos a trabalhar melhor com as adversidades que possam surgir, impedindo que o pensamento pessimista se instale e consequentemente fica-se melhor preparado para lidar com a situação problemática.

Ser a sua força

Olhe para dentro de você, o que sente? Se for ansiedade: não se projete no futuro, remeta-se ao presente, ao que pode ser feito, e faça. Se for tristeza: Fique com ela, abrace-a, acarinhe-a, e quando for o momento certo, recorde-se que sabe rir. Se for desesperança: Entenda que ainda não fez tudo, e que a sua força vive em si e que depende de si, da sua vontade para olhar o caminho. Caminhe. Se for dor: Aceite-a. Alie-a a você mesmo, juntos serão mais fortes. Engrandeça-se, rejubile-se, incentive-se, grite bem alto: “Eu sou a minha força.”

Empurrar a si mesmo

Alimente a sua mente com a abertura para excelência. Alimente a sua mente com palavras de incentivo, com palavras calorosas e motivadoras que permitam ir ao encontro daquilo que deseja. Procure em si, procure nos outros e naquilo que o rodeia uma forma construtiva de se elevar, de puxar por você. Agite a sua inteligência e permita-se a usá-la em seu favor. Não se deixe oprimir pelo seu humor diminuído, não se deixe ofuscar pelos seus medos, não se deixe travar pelos seus fracassos e não se deixe desanimar nos recuos. Olhe para si, procure em si, você é capaz de empurrar a si mesmo na direção daquilo que pretende alcançar. Puxe por si, você é capaz

Abraço,

Miguel Lucas