A Escola Psicologia tem sempre por objetivo produzir conteúdos que possam ajudar, esclarecer, motivar e enriquecer os nossos leitores. Mas os nossos  leitores também têm sido uma mais-valia para a Escola Psicologia e igualmente para todos os outros leitores. O nosso muito obrigado a todos. Os comentários que nos deixam, principalmente os que são escritos na forma de perguntas e descrição de problemas e preocupações, permitem gerar um conteúdo na forma de pergunta-resposta que esclarece a própria pessoa que escreve, mas igualmente toda a comunidade de leitores.

Neste artigo, transcrevo algumas desses diálogos de pergunta e resposta que identifiquei como matérias muito úteis a serem partilhadas com todos os leitores. São questões do dia-a-dia de pessoas que sentem a sua vida afetada com distintos problemas, incómodos ou situações de vida que lhe limitam o seu bem-estar, felicidade, saúde e realizações pessoais. São perguntas que todos nós provavelmente um dia na vida somos susceptíveis de fazer.

INFELICIDADE

Eu não sei porquê.. mas não consigo estar bem disposta durante muito tempo. Estou sempre chateada ou aborrecida durante a maioria dos meus dias, e quando estou alegre, passa e volto ao mesmo. Comentário retirado do artigo: Porque é que não consigo ser feliz?

Olá Alex, obrigado pelo comentário. Certamente as razões para que isso lhe aconteça não se prendem a uma só coisa, serão várias. Ainda assim, relembro-a que nós temos a capacidade de conseguirmos orientar os nossos pensamentos e vontades. Tente implementar em si mesma algumas das vontades que deseja ter. Se está a ficar triste sem razão aparente, faça algo para ficar mais bem disposta, não se deixe levar pelo hábito da tristeza, contraponha esse sentimento fazendo algo que goste.

Você não é a sua tristeza, relembre-se de como quer ser, faça coisas nesse sentido. Crie o hábito do bom humor, lendo, praticando, escutando, conversando coisas que a façam sentir-se bem. Elimine alguns hábitos de pensamento derrotista e de mal-estar, de miséria. Se pretender analisar o que vai mal na sua vida, reserve apenas um tempo limitado do seu dia para isso. Não passe o dia inteiro a pensar uma e outra vez em assuntos desagradáveis. Isto são apenas algumas dicas e não a solução para o seu problema. Abraço.

cerebro

FOBIA SOCIAL

Excelente. Muito esclarecedor.Pensava que era uma anormal pois as coisas que sinto não fazem sentido, tenho consciência disso o que é ainda pior. Impressionante tudo o que lia ou a maioria, é exatamente o que se passa comigo. Mas estou melhor por enfrentar uma das situações piores para mim.De inicio tive dores de estômago muito más e tomei um protector gástrico para não trazer problemas. A fobia social é horrível. As minhas mãos ficam suadas e tremo. Tenho medo que a pessoa repare pois é constrangedor, pensa que estou nervosa por causa dela. Depois dessas situações dou por mim a rever tudo o que disse, o que disse mal , etc e fico muito ansiosa com vontade de tentar corrigir da próxima vez. Fico muito nervosa em situações de observação como exames médicos, e foco-me em mim mesma , de como estou a suar e pior, a tremer. Formulo cuidadosamente um diálogo antes de falar. Quero causar boa impressão, conversar normalmente sem me preocupar com o que digo.

O pior mesmo é estar sempre a rever o que fiz. Não tem sentido! vou seguir as dicas que deu. Este post é fantástico. Estou mais esclarecida e acho que a pouco e pouco estou a conseguir. Pensava que era a única pessoa a preocupar-me com coisas tão estranhas e o meu sistema simpático ser activado, e causar tanto sofrimento. Felizmente estou melhor e sinto-me orgulhosa de mim mesma quando ultrapasso a situação. Só tenho 15 anos… irei reler tudo de novo. Isto é o mais esclarecedor e COMPLETO que já li sobre fobia social. Muitos parabéns, e tudo de bom. Ajudaste-me imenso. Comentário retirado do artigo: Como combater a fobia social

Olá Mariana, obrigado pelo comentário. De acordo com o seu testemunho, expressou grande parte dos sintomas relacionados com a fobia social. É importante perceber que esses sintomas são comuns a muitas pessoas que sofrem deste transtorno. Se existem muitas pessoas a sofrerem deste transtorno relatando sintomas muito idênticos, podemos levantar uma questão muito capacitadora. Porque razão somos susceptíveis a este problema?

Somos susceptíveis, devido à possibilidade que temos para processar determinada informação de forma incisiva e auto-focada. É como que um modelo de processamento de informação desajustado e com alguns erros de raciocínio, que nos coloca numa situação vulnerável e a gerarmos desequilíbrios emocionais. E isto é comum a muitas pessoas.

Desta forma, não personalize o seu problema, olhe para ele como algo que pode ser resolvido alterando a forma como percepciona algumas coisas e também como estrutura os seus pensamentos. Se acrescentarmos algumas estratégias (como descrevi no artigo) ficamos numa situação de nos ajudarmos a nós mesmos. Desejo-lhe boa continuação da sua recuperação. Abraço

AUTOESTIMA

Eu tenho baixa autoestima, e por mais que eu tente me dominar não consigo e a cada erro é motivo para me afundar mais ainda, vivo chorando direto (como agora), e insatisfeita comigo mesma, sempre leio livros de auto ajuda. Frases para me colocar para cima, falo que vou fazer tudo aquilo, mas basta acontecer algo de negativo para mim que acabou tudo, volto a ficar para baixo me martirizando! É muito difícil…espero um dia conseguir. Comentário retirado do artigo: Como melhorar a  auto-estima

Olá Jane, obrigado pelo comentário. Jane, você tem em si a resposta e igualmente a solução do seu problema. Ainda que possa ler alguns livros de auto-ajuda e até mesmo os artigos da Escola Psicologia, o mais importante de tudo e diferenciador é passar à ação. Pense numa estratégia e em algumas dicas para melhorar aquilo que sabe que necessita de ser melhorado. É necessário fazer coisas, umas surtirão efeito outras não, mas deve manter-se persistente e esperançada numa melhoria. Mesmo sentido-se em baixo e com alguns sentimentos negativos, deve orientar-se por aquilo que quer melhorar e como quer ser, ao invés de se incapacitar pelos seus sentimentos negativos. Sorte e convicção. Abraço

TIMIDEZ

Sou uma pessoa muito tímida também. Mas tenho praticado esses exercícios nos últimos dias e tenho visto que não é tão difícil assim se expor a certas situações. Um problema que muito me incomoda é a sensibilidade que eu tenho diante de situações “difíceis”, me dá uma angústia, uma vontade de chorar, meus olhos enchem de lágrimas, mas eu tenho me esforçado para melhorar isso também… Essa é a parte mais difícil para mim. Não sei se existe algum tipo de exercício que possa melhorar isso. Vou fazer aulas de dança em grupo para melhorar meu relacionamento com desconhecidos. E aos poucos vou conseguir melhorar e mudar minha vida! Obrigado pelo seu artigo. Muito BOM! Parabéns. Comentário retirado do artigo: Como superar a timidez

Olá Tati, obrigado pelo comentário. Vejo que se tem esforçado na implementação de alguns exercícios e que começam a surtir efeito. Chorar não tem mal nenhum, mas realmente em determinadas situações pode ser incómodo. Dica: faça uso da sua atenção (foco) foque-se na forma como quer ou gostaria de agir, faça simplesmente isso! a nossa mente é selectiva, se conseguir focar-se no seu principal objetivo verá que deixa de ficar tão vulnerável e sentimental. A melhor forma de conseguirmos deixar de pensar ou estar focado em algo, é pensar noutra ou focar-se noutra coisa. Fico esperançado que continue a melhorar. Abraço

ANSIEDADE

Sou ansiosa, mas também muito curiosa.. se algum texto me interessa leio-o até o fim.. foi isso que fiz com o seu. ”Ansiedade está presente onde o indivíduo percebe um perigo ou uma ameaça”. Não estou certa quanto a isso, pois sou ansiosa desde que me entendo por gente, mas não percebo perigo ou ameaça. O meu ato de roer as unhas e mexer nas minhas mãos o tempo todo também são sintomas de ansiedade certo?

O fato de esperar que alguma coisa aconteça é pior do que realmente essa coisa acontecer, bem, deixa eu explicar em um exemplo. Você está em um consultório médico e tem que tirar sangue, o fato de saber que você vai tirar sangue em alguns minutos é pior do que você tirar o sangue no exato momento, entende? A ansiedade faz com que a espera seja pior do que o momento em si. Comentário retirado do artigo: Sofre de ansiedade? Perceba porquê!

Olá Daniella, Obrigado pelo comentário. A ansiedade está quase sempre relacionada com a análise antecipada de algo (medo, receio, desafio, perda). Mesmo que aparentemente ache que não tem medo antecipatório, se fizer uma análise mais profunda, verificará que poderá estar a evitar que aconteça alguma coisa, ou pode querer que alguma coisa corra bem, pode não querer falhar alguma coisa. Os medos por vezes são muito subjectivos, por exemplo ficar na fila de trânsito, pode desencadear um ataque de ansiedade, não está com medo de nada, mas ficou irritada e accionou o mecanismo fisiológico do medo, são libertados químicos no corpo, que por sua vez accionam pensamentos desajustados. Sem se aperceber fica fora de si de um segundo para o outro.

A ansiedade também se pode sentir como uma resposta fisiológica aprendida, que foi generalizada a muitas situações. O que torna difícil a pessoa identificar a causa. Desta forma a pessoa tem de ser ensinada a fazer avaliações corretas das situações, e a saber ler os sinais de ansiedade e depois através de algumas técnicas anular os sintomas e retomar a ter controlo sobre a situação. Abraço

FELICIDADE

Meu caro Miguel… é muito bom a divulgação do seu trabalho, para entendermos um pouco sobre os nossos instintos, sobretudo, o funcionamento daquilo que é mais complexo no mundo – o cérebro humano. Eu não curso a área da psicologia, mas a admiro muito e creio que ela vai crescer mais em um mundo que vive um paradoxo: a globalização, porém uma solidão sem fim no interior de cada pessoa…. A busca pela satisfação plena é o que está em voga hoje, o refúgio dos problemas em meios ilícitos como a droga, prostituição e a soberba está acabando com a moral e a ética do ser humano. Vocês, psicólogos, tem uma grande missão: nos precaver e libertar de cairmos nesse sistema que vivemos na atual conjuntura.

Agora, eu quero uma resposta do seu entendimento, particular, do trabalho que você vem realizando… que sentindo você vê na vida, o significado de a cada dia acordar e caminhar, trabalhar e viver? O significado da existência de cada ser? Abração amigo. Comentário retirado do artigo: A felicidade é possível, mas é opcional

Olá Vinícius, obrigado pelo comentário. Esta é sempre a intenção, esclarecer o leitor de alguns equívocos, tal como explicar as potencialidades que todos temos, e a possibilidade que cada um de nós tem, quando usa o conhecimento de si mesmo e das melhores formas de funcionar.

Nós psicólogos, temos realmente uma grande tarefa entre mãos, as vicissitudes da vida, empurram muitas pessoas para uma situação de incapacidade, por isso mais que nunca a divulgação de informação, é uma forma de podermos combater alguns desses “males” da sociedade.

A vida em si não tem necessariamente um significado. A vida tem o significado que cada um lhe quer dar, ou encontra para si. O que para mim é algo excitante, para outras pessoas pode ser aterrador. A capacidade que cada um de nós tem para darmos significados particulares às nossas experiências, faz com que seja possível acontecer um fenómeno extraordinário: A vida é aquilo que cada um vive, interpreta, sente, expressa e pensa, na sua relação com o mundo, com os outros e consigo mesmo. Esta é a minha visão particular:) Abraço.

MENSAGEM

Certamente, numa sequência única de pergunta e resposta o leitor não irá de forma repentina resolver o seu problema de fundo. Não irá eliminar os seus medos, a ansiedade, a timidez, passar a ter uma confiança inabalável ou ser feliz de um dia para o outro. No entanto, ficará mais esclarecido, ficará na posse de informação que pode aplicar, testar e usar, para pouco a pouco verificar se é adequado ao seu problema e consequente melhoria.

Esta é a intenção que move a Escola Psicologia: Criar um espaço de partilha, troca, acesso e divulgação de informação útil a todos nós.

Abraço