Você não pode fugir do seu passado, por isso, inspire-se nele. O nosso passado inevitavelmente comporta coisas boas e outras menos boas. No entanto, se na nossa história de vida alguns acontecimentos deixaram marcas profundas que nos atrapalham e nos inundam recorrentemente com memórias de acontecimentos que consideramos traumáticas, isso pode ser penoso. Pode levar-nos a construir uma imagem de nós mesmos fortemente influenciada negativamente, e com isso vivermos à sombra do passado, preso a ele, reduzido a ele. Para aqueles que viveram acontecimentos dolorosos, erguer-se acima disso é um desafio de vida. Vejamos um exemplo que traduz uma grande riqueza de entendimento e igualmente de eficácia terapeutica, expressa no documentário de 2007, intitulado War Dance,  em que uma criança Ugandeza de 14 anos de nome Dominic, declara:

“No meu coração, eu sou mais do que um filho da guerra. Eu sou talentoso. Eu sou um músico. Eu sou Acholi. Eu sou o futuro da nossa tribo.”

Perante acontecimentos de grande impacto negativo na vida de muitas pessoas, certamente uma frase ecoa nas suas cabeças:

“Até que ponto posso escapar de um passado doloroso?” Será um passado indesejado sempre parte de quem sou ou posso deixá-lo completamente para trás?

A questão da identidade pode ser abordada em vários níveis, incluindo o psicológico, biológico, filosófico e comportamental. Do ponto de vista psicológico, sabemos que não é possível apagar o nosso passado, porque a qualquer momento nós podemos representar a soma de tudo o que temos vivido e tudo o que temos sido. Nós experimentamos o presente com todos os conhecimentos, habilidades, valores, crenças e emoções que adquirimos ao longo das nossas vidas. E, momento a momento vamos associando a riqueza das experiências de vida que constituem o passado. Se a nossa identidade fosse uma simples progressão linear, uma pessoa poderia facilmente superar um passado doloroso, e viver bem. No entanto, as nossas memórias por vezes ganham vontade própria e, uma pessoa traz o passado de volta para o presente, vivenciando o seu impacto. As consequências desse impacto podem depender de duas perspetivas diferentes:

  1. Relembrando que algo aconteceu: “A pessoa que eu era anteriormente.” Neste caso a pessoa distancia-se do seu passado e não se confunde com ele, o que pode vir a ser positivo.
  2. Julgando do ponto de vista atual: “Eu sou o meu passado.” Neste caso a pessoa reduz aquilo que é ao seu passado, funde-se a ele condicionando negativamente o seu presente e o seu futuro.

superar passado

DEVE O PASSADO FAZER SEMPRE PARTE DO QUE UMA PESSOA É?

A visão que você tem de si mesmo evolui ao longo da sua vida, e as pessoas diferem na medida em que refletem sobre quem elas entendem ser. A busca de quem somos pode intensificar-se durante tempos de mudança. Algumas pesquisas sugerem que as pessoas que estão mais ativamente explorando a sua identidade, são mais sensíveis a alterações efetuadas pela passagem do tempo. Comparando o que somos agora, com quem nós éramos, ajuda-nos a manter uma sensação de continuidade em face à constante mudança dentro e fora de nós. Assim como pode ser doloroso lembrar o sofrimento, o arrependimento ou a deceção que eram parte do que fomos um dia, também pode ser difícil de suportar a perda irreversível das coisas boas.

Mas, a adversidade da vida no passado ou a perda de alegria que pontualmente vamos relembrando, não são necessariamente causas inevitáveis ​​de saúde psicológica débil. Tentativas de negar, apagar ou escapar das falhas do passado levam-nos a reconhecer que toda a experiência contribui para aquilo que nos tornamos. A forma como processamos o bom e o mau, e a forma como nos percecionamos (positivamente ou negativamente), é importante na manutenção do bem-estar. Sobreviver à desgraça ou a maus-tratos, aprender com os erros, e incorporar o bem que já tivemos, são oportunidades para crescer para além do nosso passado, mantendo o fio condutor que constitui o indivíduo único que somos. Em psicologia, este processo chama-se de Crescimento Pós-traumático. Ao conseguirmos fazer o exercício mental de percebermos que nós não somos apenas aquilo que nos aconteceu no passado, que nós não somos os nossos traumas, erros, mágoas, angústias, tornamo-nos mais do que a soma dos nossos acontecimentos passados. Por exemplo, não somos mais a vítima de bullying na infância, não somos mais a criança molestada. Nós somos mais do que a pessoa que éramos no passado, ainda que essas experiências continuem a ser parte de quem nós somos.

Dica: Mais importante do que escapar ao nosso passado, é poder tornarmo-nos mais experientes e mais enriquecidos por causa disso.

As memórias do nosso passado podem despertar uma mistura de emoções. As lembranças são muitas das vezes acompanhadas por sentimentos de nostalgia, um sentimento agridoce da alegria de reviver o passado, apesar da dor da perda. As pessoas que mais facilmente sentem nostalgia do seu passado têm um maior apreço pela forma como as experiências se foram entrelaçando no seu desenvolvimento pessoal. Tal reflexão, permite que uma pessoa encontre significado construtivo em aspectos indesejáveis ​​do passado e, facilita a resignificação das experiências difíceis, descobrindo algo de valor num processo de reavaliação positiva. Falei mais aprofundadamente deste assunto no artigo: Curar o passado, resignifique os acontecimentos traumáticos numa história capacitadora

A reter: Refletir na comparação entre passado e presente fortalece o controle de uma pessoa sobre a sua identidade própria, não permitindo que ela se defina meramente por aquilo que lhe aconteceu.

SOMOS MAIS DO QUE AQUILO QUE FOMOS

Ao não deixarmos que a nossa identidade seja definido pelos outros, mas reconhecendo como os outros ajudaram a moldar o que somos é uma forma de integrar os aspectos do passado, sem deixar que ultrapassem o presente. Ganhar consciência sobre o impacto que outras pessoas tiveram em nós, permite que também fiquemos cientes do papel que desempenhamos e continuamos a desempenhar na vida dos outros. Por exemplo, um pai ao reconhecer o impacto de como foi criado, pode fazer escolhas sábias na parentalidade dos seus próprios filhos. A capacidade que cada pessoa tem para analisar o seu passado e com isso conseguir perspetivar uma motivação construtiva e de maia valia face ao futuro, permite impulsionar a superação de um passado conturbado.

A conexão com os outros ajuda a manter-nos ligados no presente, procurando estabilidade e um entendimento de que algumas coisas permanecem, apesar da passagem do tempo e da perda de pessoas, coisas, status ou juventude. Um sentimento de pertença e de perspetiva de futuro pode restaurar um senso de significado, valor e propósito, se uma pessoa quer escapar de um passado doloroso ou tem desejos de resgatar a sua felicidade. Dar suporte  a outras pessoas que estejam a passar por momentos difíceis, pode funcionar como um “amaciador” do passado, e fazer passar a mensagem de que nós tornamo-nos em mais do que aquilo que fomos.

Ao participar de seu grupo de dança na escola, Dominic veio a entender, que apesar de tudo, ele nunca tinha sido vítima de uma guerra, mas que ele é mais do que um filho da guerra. A construção de uma identidade maior do que o seu passado permitiu-lhe encarar o futuro com confiança e esperança.

Superar o passado angustiante é possível

Se ao longo do tempo não tem conseguido libertar-se do seu passado angustiante, quero dar-lhe a conhecer a minha Palestra em Vídeo: Superar o Passado e Promover o Futuro. Se gostou do artigo e este lhe foi útil, estou certo que a minha palestra irá permitir que você deixe o seu passado castrador para trás e passe a viver o presente com alegria e satisfação.

Para adquirir a Palestra em vídeo clique na imagem em baixo:

palestra-video-superar-passado

Abraço,

Miguel Lucas