Talvez, a longo prazo, nada nos retire tanta capacidade como as feridas emocionais. Podemos considerar feridas emocionais, todas as memórias que fazem disparar as mesmas emoções ou emoções equivalentes às que experienciámos no momento dos acontecimentos negativos e arrebatadores. É como uma tatuagem interna, que se faz sentir cada vez que um gatilho externo nos relembra o acontecimento indesejado, e nos altera o  nosso estado de espirito, provocando dor emocional e grande incómodo. Porque é que uma pessoa desencadeia reações emocionais negativas e dilacerantes? Porque é que determinados estímulos nos fazem perder as estribeiras ou nos fazem disparar emoções negativas que nos alteram o nosso estado de ser, prejudicando-nos ou levando-nos a fazer coisas que não queremos, nem gostamos? E, o que pode ser feito para deixarmos de ser atormentados por essas feridas emocionais?

O PROCESSO PARA NÃO REAGIR NEGATIVAMENTE AOS GATILHOS EMOCIONAIS

Desenvolver a capacidade de perceber que estamos na presença de um determinado gatilho, que faz disparar emoções negativas em nós e conseguir não reagir de forma automática, evitando assim reagirmos negativamente, é o processo que pode permitir curar as feridas emocionais. É importante saber identificar a grande maioria dos gatilhos que temos dentro de nós (determinadas memórias, crenças, formas de interpretação, frustrações, expetativas, mágoas, rancores, ciúmes, medos) assim como os gatilhos exteriores (atividades, situações, cenários, acontecimentos, lugares, pessoas, compromissos, tarefas, conversas) que mexem connosco e que nos alteram o nosso estado de ser através da ativação de determinadas reações emocionais pejorativas (ansiedade, desânimo, irritabilidade, raiva, deceção, arrependimento, sentimento de culpa, angústia, nojo, vergonha, abatimento, injustiça).

No fundo, este processo, permite que se desenvolva a capacidade de sentirmos que o nosso corpo está a transformar-se internamente, que o nosso humor está a alterar-se negativamente. Para que, depois, conscientemente, consigamos dar indicações a nós mesmos para não seguirmos esses sentimentos e pensamentos negativos, e ativarmos um conjunto de estratégias que permitem regular esse mesmo estado, para um estado mais capacitador, e com isso agir em conformidade com os nossos objetivos.

MUDAR A FORMA DE INTERPRETAÇÃO DOS GATILHOS EMOCIONAIS

Depois de sabermos identificar as principais fontes dos gatilhos emocionais, é importante implementar um nova forma de interpretar esses mesmos gatilhos que fazem “abrir” as feridas emocionais. Quando temos memórias de acontecimentos que facilmente são acionadas e nos remetem para o passado, ficamos vulneráveis, e as feridas emocionais tornam-se mais sensíveis às experiências do momento presente. Cada vez que esses gatilhos são acionados, é porque alguém, ou algo, cutuca você num desses pontos sensíveis. Quando você carrega o peso do passado, quando você não consegue libertar-se dos condicionalismos e reestruturar os pensamentos acerca desses acontecimentos arrebatadores, uma dor constante afeta inconscientemente a sua vida (como qualquer dor crónica). Quando alguém ou algum acontecimento faz disparar esses gatilhos, de repente você experimenta uma nova dor bastante intensa e real, no momento. Isso é o que acontece cada vez que as suas feridas emocionais abrem.

Um ponto interessante a considerar sobre os gatilhos é que qualquer um pode fazer disparar uma nova dor. A nova dor muitas vezes não tem nada a ver com a dor original. Se você realmente desconhece a dor original, assim como os gatilhos que a acionam, você pode realmente acabar culpando a pessoa ou a situação que apenas serviu de detonador para a sua dor. Você pode acabar ficando irritado, frustrado ou  magoado, dando espaço para a criação de uma nova dor emocional, agora associada a uma nova situação, pessoa ou acontecimento. O que pode conduzi-lo ao aparecimento de novas feridas em cima das antigas.

Quando você se debruça sobre a questão dos gatilhos emocionais, é muito importante levar em consideração que quando altera o seu estado de ser, e por exemplo, fica extremamente irritado, não tem necessariamente que estar ligado ao que está a viver no momento presente, mas que provavelmente está relacionado à sua ferida emocional infligida no passado. Afinal, se você não tivesse uma ferida incrustada no seu ser, provavelmente você não reagiria de forma negativa, nem iria sentir dor alguma. Esta ideia reflete-se na clássica anedota: “quando um casal está brigando sobre quem deve lavar os pratos, eles realmente estão brigando por algo mais.” Na verdade, a raiva do casal encontra uma forma para ser expressa no problema dos pratos sujos.

Quando você aprender a identificar os fatos geradores de dor emocional ligada ao passado, e perceber em que momentos e situações você fica vulnerável ao disparo dos seus gatilhos emocionais, então você deu o passo fundamental para ultrapassar o seu problema e começar a curar as feridas.

Então, como é que no dia a dia podemos desenvolver estratégias que nos permitam chegar ao ponto de já não desencadearmos reações emocionais negativas ligadas às feridas infligidas no passado?

feridas

O processo passo a passo: 

PASSO 1: IDENTIFICAÇÃO DAS FERIDAS EMOCIONAIS

O primeiro passo para a cura das suas feridas emocionais está no desenvolvimento do processo de identificação. Na prática o que você tem de fazer, é tomar consciência dos acontecimentos que originaram as suas feridas emocionais e, perceber a profundidade do incómodo e magnitude da dor.  Existem dois bons momentos para olhar para as suas feridas.

  • Durante a sua própria reflexão / tempo de introspeção
  • Diretamente no momento em que estão sendo acionadas

No tempo de introspeção, tudo o que vai fazer é procurar as memórias de momentos em que acionou ou desencadeou a dor emocional, por pensar em coisas que têm uma enorme reação emocional em você. (Por exemplo, em que momentos você reagiu com fúria, ou irritabilidade desmedida, e se arrependeu posteriormente). Assim, quando se dedicar ao processo de identificação das suas feridas emocionais, para que este seja eficaz, é importante registar as emoções que sentiu nesse momento e que tipo de comportamentos emergiram.

Uma vez que você comece a fazer isso em qualquer uma duas situações anteriores, (trabalhar nas emoções acionadas pelas memórias dos acontecimentos passados, ou enquanto os gatilhos emocionais estão a ser disparados e você apanha-se a iniciar o processo de reação emocional, tomando consciência do mesmo) você pode avançar para a segunda etapa.

Nota: A utilização de memórias poderá tornar-se muito valioso, pois você não tem que esperar que o processo seja desencadeado em acontecimento reais, podendo desta forma planejar as suas sessões de identificação das feridas emocionais com um pouco mais de facilidade.

PASSO 2: CHEGAR À RAIZ DO PROBLEMA

Agora que já tomou consciência das suas feridas emocionais e que gatilhos as fazem emergir (estímulos internos e externos) e que emoções se fazem sentir em todo o processo, o próximo passo é fazer  perguntas que permitam aprofundar a natureza  da ferida/gatilho emocional.

Pegando no exemplo acima: Porque sinto esta emoção quando “ele/ela me disse para lavar os pratos”?

  • Porque isso faz-me sentir como se ele/ela achasse que eu sou um inútil
  • Porque faz-me sentir como se eu o/a dececionasse
  • Porque isso faz-me sentir como se eu não fosse boa pessoa

A partir daqui você começa a repetir o processo de perguntar como se sente e porque é que se sente de uma determinada forma, a cada emoção, reação, comportament e novo gatilho que surge como uma resposta. Este parece ser um trabalho árduo, e é no começo, mas pouco a pouco você ficará muito eficiente no que faz, e não precisará continuar a registar as suas reações a cada episódio. Você também pode, eventualmente, descobrir que há um enorme conjunto de gatilhos que fazem abrir a mesma ferida emocional.

É importante ter consciência que este processo pode ser demorado e necessitar da sua força de vontade e persistência. No caso de sentir-me demasiado oprimido e cansado na aplicação do processo e, caso os resultados demorem em aparecer, dê um tempo a si mesmo, recupere as suas energia e volte a tentar.

Ebook – Como Mudar Sua Vida para Melhor

Voltando a usar o exemplo de cima: Quando ele/ela me diz para lavar os pratos eu reajo com raiva, porque isso me faz sentir menos homem/mulher, por causa de no passado, quando eu tinha 6 anos a minha mãe disse-me:

  • Para homens: Lavar pratos é tarefa de mulher
  • Para mulheres: As mulheres estão condenadas a este tipo de trabalho inferior

Um episódio desta natureza poderia ser o suficiente para imprimir uma resposta emocional de desagrado, revolta ou vergonha, prepetuando-se até à idade adulta e causando problemas no relacionamento.

PASSO 3: SUPERAÇÃO DAS FERIDAS EMOCIONAIS

O processo de identificação anteriormente descrito, contém uma grande parte do processo de cura das feridas emocionais. Segue-se a tomada de consciência dos sentimentos associados às feridas/gatilhos emocionais e as razões porque esses sentimentos se fazem sentir. Esta parte do processo permite que você deixe de alimentar a dor que tem carregado por tanto tempo.

Na fase final de cura das feridas emocionais, importa trabalhar na remissão. A aceitação e autocompaixão é o último passo a ser dado para terminar com êxito todo o processo. Para chegar a este ponto, você precisa perdoar em três áreas distintas:

  • Liberte-se do ressentimento gerado por terceiros (outras pessoas)
  • Perdoe a si mesmo pela responsabilidade que tem na sua dor
  • Perdoe a si mesmo por ter deixado perpetuar a sua dor demasiado tempo

A – Libertar-se do ressentimento gerado por terceiros

Na grande maioria das vezes, o sentimento de injustiça, o rancor, ressentimento, raiva, nojo, que constituem a dor emocional de quem sofre, é acionada por essa mesma pessoa em nome das outras pessoas que contribuíram para o problema. As pessoas que participaram e podem ter sido responsáveis pela criação das feridas emocionais no momento passado, provavelmente, ainda continuam a machucá-lo no presente. Permita-se deixar de alimentar a ideia de que essas pessoas são responsáveis pela sua dor no momento. Claro que no passado contribuíram para isso, mas podem não contribuir mais no momento presente. Olhe para trás usando a sua memória, e perceba que isso aconteceu no passado, e que você pode resignificar o impacto dos acontecimentos, erguendo-se acima desses acontecimentos. Essas pessoas podem tê-lo magoado há muito tempo, mas você não vai mais permitir que continuem a machucá-lo no presente. Isso só é possível se você permitir. Não se deixe paralisar pelas suas barreiras emocionais.

Cada momento em que você reproduz as mesmas emoções e pensamentos que ficaram registadas e associadas a essas pessoas ou ao próprio acontecimento, não aceitando o que lhe sucedeu, você continuará a permitir que as pessoas envolvidas ou o acontecimento experienciado, continue a infligir-lhe dor emocional, prejudicando-o. Você não tem que gostar dessas pessoas, do acontecimento ou do que sofreu, apenas deve esforçar-se por distanciar-se do sucedido, libertando-se da sua carga emocional negativa e das amarras que ficaram e que avivam a sua memória do sofrimento passado.

cura

Volte ao passado. Para que isso seja possível, use a sua memória. Projete o cenário, a situação e as pessoas envolvidas. Visualize-se nesse momento passado. Construa um cenário, em que se veja a falar para essas pessoas, e que lhes diz, que não vai permitir que esses acontecimentos perturbem os seus objetivos e a sua vida em geral, no momento presente. Você irá dizer-lhes que não se permitirá deixar que o que aconteceu prejudique ainda mais a sua vida. Que as feridas sararam, e que quando a memória dos acontecimentos negativos surgir na sua cabeça, não irá fazer disparar os sentimentos negativos. Você não irá mais colocar o dedo na sua ferida emocional. Você irá olhar para essas imagens na sua mente, como se tivesse a olhar para um filme de terror na tela do cinema, mas com uma particularidade, esse filme não tem som. Esse filme já não lhe faz disparar as reações emocionais negativas. Você, passou a controlar os seus comportamentos em reação às imagens associadas aos acontecimentos passado. Você está livre. Você conseguir abandonar o sofrimento.

B – Perdoar a si mesmo pela responsabilidade que tem na sua dor

Muitas vezes, sem saber, culpamo-nos pela responsabilidade que tivemos na nossa própria dor ou trauma. É importante libertarmo-nos desse sentimento de culpa e perdoar a nós mesmos pelo que aconteceu. Podemos estar carregando connosco pensamentos como “Eu era tão estúpido para deixar isso acontecer“, ou “A culpa é minha por não ter contado a alguém“, ou “Eu mereci o que me fizeram“, ou “Porque deixei fazer isso comigo”?, ou “Como me deixei chegar a este ponto”?

Você reconhece algum dos pensamentos acima nos seus próprios gatilhos emocionais? Você tem esse tipo de pensamento quando são acionados no momento ou quando são desencadeadas pela lembrança dos acontecimentos?

Perdoe-se. Tente perceber que o que aconteceu naquela época não era de forma alguma sua culpa. Ou, mesmo que ache que realmente foi culpa sua, tenha compaixão por você, e tente entender que naquela altura, com a informação que tinha, com as crenças que desnvolveu e, devido ao que estava a enfrentar, pensou e agiu daquela forma. Você reagiu e agiu da melhor maneira que sabia naquele momento.  Provavelmente,  você fez o seu melhor e não tem nada de que se envergonhar por isso. Mas, caso hoje julgue que poderia ter feito melhor, não se recrimine, perceba que cresceu com a experiência, que hoje tem uma outra visão das coisas, e que isso é extraordinário. Você pode hoje fazer de forma diferente e de acordo com aquilo que valoriza e pretende alcançar.

Por outro lado, se você acha ter sido vítima, então você não é mais uma vítima. Abandone a mentalidade de vítima. É importante que atribua a responsabilidade a quem ela pertence, e deixe de carregar esse fardo. A única coisa que depende de você mesmo é perdoar-se a si mesmo pelo que passou. Acione a autocompaixão. O amor que tem por você é o que está alimentando o processo de aliviar-se da sua dor.

C – Perdoar a si mesmo por ter deixado perpetuar a sua dor demasiado tempo

Muitas vezes, sem saber, ruminamos em torno do sentimento de culpa ou embaraço por deixar as nossas feridas emocionais ou traumas passados terem-nos afetado por demasiado tempo. Às vezes, achamos que fomos ridículos por nos deixarmos afetar negativamente por algo que não valia a pena. Às vezes pensamos ser “fracos” por nos deixarmos influenciar negativamente pelo passado doloroso.

É extremamente importante que você saiba que nenhuma ferida emocional ou trauma é muito grande ou muito pequeno. Não podemos julgar os acontecimentos nas nossas vidas nestes termos. Se algo nos afetou negativamente e/ou ainda nos afeta, então é tão importante como qualquer coisa que se encaixe nesse critério (ferida emocional ou trauma), não importa o que é. Nós não somos menos ou mais “pessoas” com base nos acontecimentos nas nossas nossas vidas que nos infligiu dor ou trauma.

Permita dizer as mesmas coisas ao seu “Eu” atual que você disse no exercício anterior às pessoas responsáveis pelas suas dores infligidas no passado. Tente afirmar para você mesmo que não é culpa sua o fato de ter vindo a causar toda a dor emocional que tem vindo a sentir todo esse tempo. Você não sabia ou não conhecia uma forma de lidar com as suas feridas e gatilhos emocionais.

Provavelmente você tem vindo a reagir de forma prejudicial para a sua vida, porque ainda não tinha aprendido as habilidades para curar as suas feridas emocionais. Agora que você teve contato com o que pode ser feito, agora que está no caminho para aprender essas habilidades, certamente irá continuar a fazer o seu melhor para superar o seu problema e ajudar a si mesmo. Permita-se a saber e a aceitar que você está no caminho certo e que sempre tem estado, só não sabia o que fazer para melhorar. Perdoe-se por não saber isso antes.

CONCLUINDO

Gostaria de acrescentar que este tipo de perdão, aceitação e libertação pode ser feito a qualquer momento durante o processo descrito nos três passos. Quanto mais profunda a ferida emocional que você está tentando superar, mais efeito isso terá sobre a sua vida em geral. Ou seja, se você conseguir deixar de reagir de forma negativa aos seus gatilhos emocionais, isso poderá ter um efeito dominó, deixando de ser desencadeado por incidentes semelhantes. Descobrir o denominador comum dos seus gatilhos emocionais, é muitas das vezes um processo bastante longo e muito trabalhoso. Por exemplo, um trauma de infância pode ser extremamente doloroso e, muitas vezes, não é fácil de descobrir o denominador comum associado às feridas emocionais. Então, o processo de superação pode ser trabalhoso e necessitar de uma grande dedicação da sua parte. Certamente valerá o tempo e esforço empregue.

O perdão, aceitação e libertação são uma daquelas coisas que parecem fáceis, mas fica mais complicado quanto você pretende passar isso à prática. Por isso mesmo, você deve reunir o máximo de informação que lhe forneça formas e estratégias de implementar isso na sua vida. Para aprofundar este assunto, leia: Aceitação ao invés da resistência, encontre paz interior surfando os abalos a vida.

Boa sorte na sua busca por paz interior e felicidade através da cura das suas feridas emocionais.

“Redecore o seu interior,
Chegou a hora de deitar fora essas mágoas que o passado pintou nas entranhas do seu coração,
Coloque um pouco de luz, dê umas pinceladas de otimismo,
Passe o espanador no seu rancor,
Tire do baú a sua força esquecida,
Coloque a esperança ao peito,
E, saia à rua com o seu sorriso resplandecente,
Exiba a sua grandeza.”

- Miguel Lucas

Abraço