Existem muitos equívocos relativamente ao diagnóstico de ansiedade social. Por vezes confunde-se com timidez, com falta de habilidades sociais, com algum traço de personalidade, com introversão, com algumas fobias específicas, com transtorno do pânico. Vejamos um exemplo de um comentário que um leitor deixou em outro artigo publicado:

Sinto um enorme desconforto em locais com muita gente, saber que olham para mim, simplesmente falar nos olhos com uma pessoa (não consigo), falar em público nem que sejam apenas dois ou três amigos que conheço há muito tempo, já fico todo stressado e a voz trémula, apesar de tudo isso o meu maior problema é o fato da minha face, pressionada de tanto stress nessas situações de desconforto, começa a tremer, principalmente a zona da boca, e isso é bem visível. Eu não consigo estar simplesmente a olhar nos olhos de outra pessoa e ouvir o que ela tem a dizer, os meus lábios começam a tremer sempre, então tenho de colocar a mão no rosto para disfarçar. É horrível. Porque eu não tenho vergonha, nem nada disso, muito pelo contrário, eu até quero falar e tudo isso, porque sou uma pessoa muita sociável e sou o “palhaçinho do grupo” mas tenho este enorme problema que se agrava a cada dia. Desde os tempos da escolinha que eu nunca consegui apresentar trabalhos, porque sempre que tínhamos de ir para a frente da sala, o inferno começava. Porém agora está pior e quando tenho de tirar uma fotografia num sitio qualquer como um bar ou assim onde estão mais pessoas, é horrível, eu nem consigo sorrir porque os lábios tremem.”

Apesar desta descrição, o fato de uma pessoa ter medo de falar em público e ficar ruborizado na presença de outros, não tem necessariamente de considerar-se ansiedade social. No entanto, também não podemos numa primeira impressão dizer que é apenas timidez. Aquilo que mais define um transtorno de ansiedade social, para além de um conjunto de sintomas que estão associados, é a magnitude do desconforto, e o quanto afeta ou limita a vida da pessoa.

Apresento um teste de autoavaliação para ver se você tem transtorno de ansiedade social. Talvez possa imprimir e marcar todos os itens que se aplicam a você. (Esta autoavaliação não é um substituto para uma avaliação com um profissional de saúde mental.)

Questionário de transtorno de ansiedade social

Você sente desconforto e sintomas físicos incómodos em várias das situações:

  • Falar ao telefone
  • Ser apresentado para os outros
  • Ir abrir a porta
  • Interagir com os funcionários em um banco ou supermercado
  • Ir a consultórios médicos
  • Ir à igreja
  • Fazer compras em uma loja
  • Conduzir (por medo de que os outros motoristas estão pensando de você)
  • Usar banheiros públicos (não devido ao medo de germes)
  • Comer na frente de outras pessoas
  • Escrever ou assinar o nome na frente dos outros
  • Participar de eventos sociais
  • Sair para um encontro íntimo
  • Falar num pequeno grupo
  • Agir assertivamente
  • Expressar a sua opinião
  • Falar sobre si mesmo para os outros
  • Discursar num grande grupo
  • Situações de desempenho

ansiedade social

Você envolve-se em alguns destes comportamentos parciais de esquiva?

  • Uso de álcool ou drogas antes de entrar em uma situação social temida.
  • Se eu tiver numa situação social, fico o menor período de tempo possível.
  • Em situações sociais, tento assegurar que fico perto de uma pessoa “segura”.
  • Eu frequentemente tento distrair-me, sonhando acordado ou pensando em outras coisas.
  • Em conversa com outras pessoas evito contato com os olhos.

Quando está muito ansioso experimenta alguns dos seguintes sintomas físicos: 

  • Rubor
  • Agitação
  • Sudorese (transpiração)
  • Suores quentes ou frios
  • Desconforto no estômago
  • Tensão muscular
  • Batidas aceleradas do coração
  • Falta de ar
  • Aperto no peito
  • Sentimentos de fraqueza
  • Tontura / vertigem
  • Nó na garganta ou boca seca
  • Sentimentos de irrealidade

Você diz a si mesmo algumas das seguintes afirmações, seja antes, durante ou depois de uma situação social:

  • Eu sou um perdedor.
  • Sinto-me desajustado
  • Todo mundo pode saber o quão nervoso eu sou.
  • Eu não tenho nada de interessante para dizer.
  • Eu sou tão feio.
  • Sou sem graça.
  • Eu tenho que sair daqui antes de me envergonhar mais.
  • Minha voz está trémula.
  • Eu pareço estúpido
  • As pessoas devem pensar que estou louco.
  • Todo mundo acha que eu sou muito calado.
  • Se eu explodir e perder o controle, é o fim do mundo.

Outras questões-chave para perguntar sobre as suas reações em situações sociais temidas:

  • Será que evitar estas situações interfere com a minha rotina normal?
  • Será que o medo e evitamento interfere com o meu funcionamento académico ou profissional?
  • Será que o medo e evitamento interfere com as minhas atividades sociais e relacionamentos?
  • Será que ter ansiedade social causa-me dor intensa e sofrimento?

Agora reveja as suas respostas. Quanto mais itens você tiver marcado, mais provável é que você possa estar a sofrer de um transtorno de ansiedade social.

De acordo com o novo DSM-V (o atual Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais), a ser diagnosticado com transtorno de ansiedade social, o seu medo ou a ansiedade devem estar fora de proporção, no que se refere à frequência e / ou duração, com a situação real e os seus sintomas devem ser persistentes, com duração de seis meses ou mais. Para ser diagnosticado com transtorno de ansiedade social, você também deve sofrer de aflição ou prejuízo significativo, que interfere com a sua rotina normal em ambientes sociais, no trabalho ou na escola, ou durante outras atividades cotidianas.

Se você acha que pode ter transtorno de ansiedade social, um bom primeiro passo é conversar com o seu médico ou consultar um profissional de saúde mental. Leve as respostas a este questionário para ajudar a orientar a sua discussão.

Ninguém deveria ter de limitar a própria vida por causa do medo irracional. Agora, mais do que nunca, há maneiras de minimizar os efeitos nocivos da ansiedade social. Você deu um primeiro passo importante através do preenchimento deste questionário de autoavaliação.

Abraço,

Miguel Lucas